Vizinhança Solidária faz resgate da união em Itanhaém

Hoje são 700 participantes de 54 ruas do Suarão que participam do programa

Comentar
Compartilhar
25 JAN 2021Por Nayara Martins07h01
Uma tenda montada na orla da praia para abrigar os policiais militares no verão, no Suarão, foi comprada pelo grupo em Itanhaém..Foto: NAIR BUENO/DIÁRIO DO LITORAL

"Resgatar a solidariedade entre os vizinhos, mudar hábitos e agir de forma preventiva". Esse é o lema do Programa Vizinhança Solidária (PVS), no bairro Suarão, em Itanhaém, segundo a tutora do PVS no bairro, Santina Gimenes. O programa é realizado em parceria com o 29º Batalhão da Polícia Militar e já existe há cerca de quatro anos.

Hoje, a presença das viaturas da PM e as rondas nas ruas devolveram a segurança aos moradores do bairro com queda significativa nas ocorrências. "Participar do PVS não significa ter um atendimento preferencial, mas sim um canal de comunicação diferenciado", explica a tutora.

Eles decidiram se mobilizar porque em 2016 havia um alto número de furtos e roubos a residências. Os moradores criaram um grupo no WhatsApp e foram conversar com o comando da Polícia Militar para participar do PVS. Em abril de 2017, cerca de 160 pessoas de várias ruas aderiram ao programa.

Hoje o PVS já conta com 700 pessoas, entre moradores, veranistas e comerciantes de 54 ruas cadastradas no Suarão, um dos bairros mais antigos do município. "Nosso grupo cresceu bastante e tivemos que criar um único grupo no Telegram", salienta.

A comunicação com a Polícia Militar é feita por meio do grupo, além de um canal diferenciado por um telefone fixo da PM, em casos de ocorrências graves, e as pessoas se identificam como cadastrados.

Após a ligação na PM é preciso ligar também no número 190, para o registro da ocorrência. O grupo deve ter consciência que só pode acionar diante de uma situação suspeita para alertar os demais participantes.

Também são utilizadas placas e pinturas de muros para identificar as residências cadastradas. "Realizamos ações de arrecadação entre os cadastrados, pois é preciso fazer as placas e pintar os muros, mas cada um contribui com o que puder".

Santina criou outro grupo voluntário, o "Suarão Participativo", onde são realizadas ações sociais e campanhas solidárias com o objetivo de buscar melhorias ao bairro.

"Na Operação Verão no ano passado, o grupo se mobilizou para comprar uma tenda que está montada na orla da praia, onde fica a viatura da PM", conta. Outras ações voluntárias aconteceram como a arrecadação de alimentos e o Natal Solidário, doados à Casa Lar São Franciscano. Além da arrecadação de roupas e sapatos doados aos moradores de rua no Suarão.

Um exemplo de solidariedade ocorreu com a moradora Fátima Rodrigues, há quatro anos, no bairro. Ela caiu e bateu a cabeça na sua casa e acionou o grupo do PVS. "A PM chegou em cinco minutos e a Samu em 15 minutos para prestar o socorro. O grupo é importante, pois temos mais segurança", diz a moradora.

Outro projeto é a instalação de câmeras por meio de uma plataforma de visualização, com câmeras fornecida por uma franquia. Santina explica que não é uma empresa de segurança e nem é obrigatório participar, mas há um custo mensal. Já funcionam 45 câmeras em diversas quadras e 91 moradores aderiram ao projeto.

Caso haja uma ocorrência a imagem é postada no grupo do PVS para todos terem acesso às imagens. "Houve um assalto à mão armada em uma casa na rua Araci, com a família rendida, identificamos as pessoas, o veículo e a placa. No mesmo dia, a PM localizou o carro e os assaltantes".

Uma das questões para que o PVS possa funcionar melhor, segundo Santina, é a falta de um canal de comunicação mais ágil.

Desde que o capitão Alexandre Voigt assumiu a 2ª Cia, no início de 2020, uma das viaturas faz as rondas no bairro. "O grupo doou um aparelho celular à PM para agilizar as chamadas. O celular acompanhou a viatura, por alguns meses, dando um retorno mais rápido às chamadas das ocorrências, mas foi desativado", lamenta.

Santina afirma ser fundamental que as diretrizes do PVS sejam revistas e atualizadas, já que o programa é amparado por lei estadual.