Projeto voluntário sócio emocional Impulso Lírico chega à ETEC em Itanhaém nesta quarta-feira

Vitor Sagaz utiliza o skate e a poesia como ferramentas sócio emocionais

Comentar
Compartilhar
04 NOV 2019Por Da Reportagem10h30
Foto: Divulgação

Após atender quatro mil jovens em Mongaguá, skatista e poeta Vitor Sagaz aplicará o projeto voluntário Impulso Lírico no Centro Paula Souza (ETEC), localizado no município de Itanhaém, litoral Sul de São Paulo, nesta quarta-feira (6/11), a partir das 14 horas.

Durante a palestra com cerca de uma hora, Vitor Sagaz estabelece conexão com adolescentes e trata temas cotidianos como alienação parental, suicídio na adolescência, falta de confiança etc. "Ao contrário das habilidades cognitivas que são natas, as habilidades sócio emocionais podem ser aprendidas em qualquer momento da vida, inclusive depois da infância", explica Sagaz, que tem convites para apresentar o projeto nas demais ETEcs da região.

O projeto voluntário criado por Sagaz impacta jovens e adultos ao misturar poemas autobiográficos e interpretar contos do livro Skatepoesia. "Crio espaços seguros para abordar temas relativos à vida pessoal dos estudantes, no fortalecimento das figuras de adultos de confiança e uso erros como aprendizados e estímulos à vontade de melhorar e aprender, com mentalidade de crescimento", comenta Sagaz.

"Interajo com o público, estimulo a leitura e interpretação. E logicamente, também ando de skate, pois foi graças a minha vivência no skate que adquiri toda informação que reproduzo na palestra", diz.

Ele cria abertura para falar sobre emoções, aplica questionários de auto avaliação nas turmas participantes, estimula o comportamento em grupo, como cooperação, autonomia e respeito às opiniões alheias preenchendo assim uma lacuna presente atualmente nos centros educacionais. "Tem sido um aprendizado para ambos os lados, uma troca muito grande e a certeza que eu não estou sozinho em meus traumas, complexos e sonhos. A troca que tive, com os recados, mensagens e até poesias que recebi deixa muito claro que as histórias se repetem. Quanto mais compartilhar, mais fácil fica para quem ainda está crescendo e vai passar por essa fase tão complexa que é a adolescência. A ideia é fazer um mapeamento da situação dos jovens que assistem à palestra com a pesquisa que aplico nos alunos", destaca.

Para a coordenadora de Língua Portuguesa de Mongaguá, Manuela Bafoni, o projeto mostrou-se surpreendente. "É disso que a educação precisa, de projetos que mostrem aos alunos instrumentos reais. Ele conta sua história de uma forma fantástica. A interação que consegue com os alunos é impressionante. Quando ele coloca a poesia na vida dele, passa a ensinar estas crianças que a história deles pode ser diferente e que existe escolha. Os alunos gostam muito, vemos alguns sendo tocados e até chorando", afirma a coordenadora.

De acordo com o diretor do departamento de cultura de Mongaguá, Eduardo Menucci, responsável pela introdução do projeto nas escolas do município, Impulso Lírico é uma excelente ferramenta de conexão com os adolescentes. "Ele chega em cima do skate, cumprimentando os jovens. Aborda temas recorrentes, como ausência de pai, suicídio na adolescência, entre outros. Ele consegue estabelecer uma conexão, entra na ferida e é como se conseguisse cicatriza-la. Vemos que muitos adolescentes se emocionam e depois de chorar eles sorriem e se abraçam. É uma forma de abordagem que não estamos acostumados a ver no dia e dia e isso tornou o Skatepoesia um sucesso", ressalta Menucci.

TRAJETÓRIA - Skatista desde 1987, Vitor 'Sagaz', 41 anos, começou a rimar há cerca de cinco anos e formou seus primeiros versos baseados em experiências de vida. Há três anos, lançou o livro Skatepoesia, com 88 páginas, uma explosão autoral de sentimentos e vivências de Vitor Sagaz. "Tanto minha trajetória de vida, quanto minha experiência no skate serviram de inspiração para os poemas. Além do amor pela minha família e amigos", explica Sagaz.

Essa vertente poética permitiu que o skatista presenciasse situações de vida enriquecedoras. "Consegui unir ao skate e ir em escolas de crianças especiais, no Mato Grosso, além de ONGs como a Casa do Saber e em unidades da Fundação Casa para recitar e andar".

Com 32 anos de skate Vitor Sagaz já percorreu praticamente todo Brasil (faltam apenas cinco estados), além de países como França, Espanha, Alemanha, Holanda, República Tcheca, Inglaterra, Suíça, Argentina e Estados Unidos (Nova York, Boston, Califórnia e Miami). Suas manobras estamparam as capas das principais revistas nacionais (Tribo -3 e Rio Skate Mag - 1), comandou durante 17 anos anos uma skate shop em Manaus (AM), além de participar de um blog no site da revista 100%Skate. Disputou o circuito profissional, mas foi nas ruas com o street que desenvolveu seu estilo. A partir daí, focou em produzir material multimídia para manter-se em evidência.  No cinema, participou do filme "O Magnata", produzido e escrito pelo músico e skatista Chorão.