População de Itanhaém volta a sofrer sem transporte urbano

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário de Santos e Região, a empresa Litoral Sul alega que há falta de combustível

Comentar
Compartilhar
03 DEZ 2020Por Nayara Martins08h00
Diversas pessoas aguardam nos pontos de ônibus na avenida Condessa de Vimieiros, no Centro de ItanhaémFoto: Nair Bueno/Diário do Litoral

A população de Itanhaém está novamente sem transporte coletivo urbano na Cidade desde terça-feira (1º). Segundo o Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário de Santos e Região, a empresa Litoral Sul alega que há falta de combustível para liberar os veículos da garagem.

Na última quinta-feira (26) uma nova diretoria da empresa se reuniu com o prefeito de Itanhaém Marco Aurélio Gomes e havia apresentado documentação, se comprometendo com a prefeitura a cumprir todas as normas do contrato de concessão.

A maioria dos usuários já está bastante cansada com o serviço dos ônibus urbanos. Um exemplo é a aposentada Nair Nobusada, no ponto de ônibus, na avenida Condessa de Vimieiros, Centro.

"A situação está horrível, moro na cidade desde 1980 e o transporte nunca esteve tão ruim. A Administração deve tomar uma atitude. Moro no Jardim Bopiranga e vou pegar uma van, mas devo andar mais um quilômetro para chegar em casa", desabafa.

O Sindicato afirma que está acompanhando a situação dos funcionários. Eles tinham entrado em greve no dia 16 de novembro por atraso nos pagamentos de salários e outros benefícios. Após acordo judicial, a empresa pagou os salários atrasados no dia 25, mas ainda não depositou ainda o vale refeição e a primeira parcela do décimo terceiro salário.

Caso os ônibus voltem a circular e a empresa não pague os benefícios, o Sindicato diz que os trabalhadores podem entrar em greve novamente.

O vereador Carlos Antônio Ribeiro (PSDB) afirma que já havia feito requerimento e pediu a rescisão contratual da empresa ao prefeito. "É um absurdo a população ter um serviço de péssima qualidade. A Administração pode fazer um contrato de emergência ou uma licitação provisória para trazer nova empresa. Tem que ser mais ágil e chegar a uma solução", frisa.

PREFEITURA.

A prefeitura de Itanhaém explica que diante da falta de cumprimento do contrato, instaurou um procedimento administrativo para a análise da caducidade da concessão junto à empresa, com a consequente rescisão contratual.

Diz ainda que uma comissão formada por procuradores jurídicos de carreira analisa a defesa apresentada pela empresa Litoral Sul. E que a decisão da comissão será definida ainda esta semana.

O prefeito Marco Aurélio Gomes falou sobre a questão na terça-feira (1º), na sua página do Facebook. Diz que pessoas que entraram na direção da empresa estavam sendo investigadas pela Polícia Civil, por estarem supostamente envolvidas com o crime organizado.

A reportagem do Diário do Litoral fez contato com a empresa para saber o posicionamento, mas até o fechamento desta edição não obteve retorno.