GOVERNO 3

Mudança de feira preocupa em Itanhaém

Segundo a prefeitura, a entrega da Praça Benedito Calixto está prevista para o início de dezembro

Comentar
Compartilhar
23 SET 2019Por Nayara Martins09h05
Eles devem sair da rua Cesário Bastos, onde expõem há cerca de 15 anos, para a Praça Benedito CalixtoFoto: NAYARA MARTINS/DIÁRIO DO LITORAL

Artesãos e ambulantes da Feira de artesanato, no centro de Itanhaém, estão preocupados com a data e como será feita a mudança para o novo local. Eles devem sair da rua Cesário Bastos, onde expõem há cerca de 15 anos, para a Praça Benedito Calixto, que está sendo revitalizada.

Há mais de 40 anos expondo o seu trabalho na 'feirinha', como é conhecida, o artesão Nilton da Silva Maia reclama que o espaço dos boxes na praça será menor que o atual, passando de 1,80 para 1,50 metros quadrados. "Eles vão beneficiar somente os grupos privilegiados que serão escolhidos pelo pessoal da Administração", lamentou.

Na sua opinião, essa mudança não trará benefícios ao verdadeiro artesão, apesar de reconhecer que uma minoria trabalha com o artesanato na 'feirinha'. Ele, que já atuava na Praça Carlos Botelho desde a década de 80, no município, confecciona brincos, colares, anéis e pulseiras.

Em 2003, eles já tiveram que sair da Praça Carlos Botelho por ser uma área tombada pelo patrimônio histórico.

O ourives Roberto Gofate também não acredita que a mudança trará benefícios. "No verão vamos sofrer porque não há ventilação lá. Não teremos mais segurança e nem o movimento de clientes que já conquistamos aqui". Há 27 anos ele e sua esposa trabalham vendendo prata.

Para a comerciante Svetlana Dobrevska Cvetanoska, proprietária de uma fábrica de doces de banana em frente a feira, o espaço atual dos quiosques é pequeno e não é adequado para receber o número de visitantes, especialmente na temporada. "O local é ocupado somente aos finais de semana e fica abandonado durante a semana, servindo de abrigo para moradores de rua e usuários de droga", completou.

Hoje, na Feira de Artesanato trabalham mais de 40 pessoas com artesanato e bijuteria, além de 26 trailers de vendedores ambulantes na Praça da Alimentação, aos finais de semana. No local não existe sanitário público. Apesar de muitos artesãos estarem há mais de 20 anos no município, eles ainda não possuem uma Associação da categoria.

PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO.

Os vendedores ambulantes que trabalham na Praça da Alimentação, localizada no espaço atrás da 'feirinha', também estão ansiosos para saber a data da mudança para a Praça Benedito Calixto. Um exemplo é Roseli Sousa Fernandes da Silva, que possui um trailer de lanches. "Espero que haja mais segurança no novo local e possamos contar com o apoio da guarda municipal, afinal a praça é um patrimônio público".

Segundo ela, houve uma reunião com a diretoria do Comércio da prefeitura para fornecer algumas orientações. Os boxes de alimentação terão um espaço de 3,30 x 2,50 metros.

"Uma das alterações que nos preocupa é a energia fornecida que será somente na voltagem 110 volts. Outra mudança é que ninguém poderá trabalhar com gás, e teremos que adquirir chapa e fritadeira elétrica para preparar os lanches no local", salientou. Na feirinha desde 1991 com artesanato, Roseli passou a trabalhar com alimentação em 2010.

A prefeitura de Itanhaém, por meio de nota, informou que as obras estão em fase final de pavimentação, instalação de mesas, bancos e a colocação de postes de iluminação. A previsão de entrega, segundo a Administração, será para o início de dezembro.

No local serão 68 boxes de artesanato e 24 boxes de alimentação e banheiros públicos. Faltam concluir a pavimentação da praça, a pintura final, a instalação de postes e a ligação da energia por parte da Elektro.

Uma das principais reclamações da população é que foram retiradas todas as árvores existentes no local. Quanto às árvores, segundo a prefeitura, elas foram retiradas para a adequação da praça, no entanto, novas espécies foram replantadas no local.

A prefeitura não informou como será feita a distribuição dos boxes aos artesãos e vendedores ambulantes que devem trabalhar no novo local.

O valor da obra é de R$ 1.820.488,72, com recursos do Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias (Dade).

Colunas

Contraponto