X
Itanhaém

Milho indígena é servido em escolas de Itanhaém

Inclusão do milho Guarani no cardápio surgiu com a vinda dos índios.

Ação foi fundamental para incentivar agricultores indígenas. / DIVULGAÇÃO/PREFEITURA DE ITANHAÉM

Realizar um resgate da tradição indígena e voltar a cultivar o milho guarani e outros produtos. Esse é o objetivo da comunidade indígena da aldeia Rio Branco, em Itanhaém, ao fazer o plantio do milho guarani, no último mês de julho. A aldeia Rio Branco conta hoje com cerca de 80 indígenas e 30 crianças.

A coordenadora do Banco de Alimentos, da secretaria de Desenvolvimento Econômico de Itanhaém, Luciana Mello, explica que o Projeto de Inclusão do Milho Guarani na Alimentação Escolar começou com a vinda dos indígenas guaranis da aldeia Tangará para o município, há cerca de seis anos.

O projeto é realizado em parceria entre o Banco de Alimentos, a Fundação Nacional do Índio (Funai) e o departamento de Alimentação Escolar da secretaria municipal da Educação.

Para o coordenador regional do Litoral Sudeste da Funai, Cristiano Vieira Gonçalves Hutter, o projeto foi fundamental para dar um maior incentivo aos agricultores indígenas.

"Foi importante para que os agricultores voltassem a cultivar em terras indígenas, já que o milho guarani estava escasso nas aldeias da região", explicou o coordenador.

A Funai também já trabalhava com as aldeias guaranis para o resgate do cultivo de algumas sementes.

Entre os principais benefícios do plantio, estão a volta da cerimônia de batismo, o resgate da agricultura tradicional e o reforço na alimentação dos indígenas, além da geração de renda.

O milho guarani, hoje, é comercializado por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), pelo departamento de Alimentação Escolar da secretaria municipal da Educação que compra o alimento da comunidade indígena.

A partir do plantio dessa cultura, outros produtos começaram a ser cultivados e comprados pelo departamento de Alimentação Escolar em Itanhaém, como a batata doce guarani, a mandioca, o palmito e a banana.

PLANTIO

A colheita começou neste mês e vai até janeiro. Conforme o ritual indígena, quem faz o plantio é a mulher do agricultor, a Maria "Kerexu" e o guardião das sementes é o agricultor indígena Ribeiro da Silva "Karai Ryapuá".

A partir da primeira colheita do milho, os indígenas passam a guardar as sementes para o ano seguinte. Eles também podem doar algumas sementes para outras comunidades guaranis. A quantidade de milho produzida na aldeia Rio Branco é de cerca de 150 quilos anuais.

"Nossa meta, até 2020, é compor o prato completo guarani a ser fornecido no cardápio aos alunos das escolas nas aldeias guaranis", destacou Luciana.

BATISMO

A partir da colheita, é realizada uma cerimônia chamada "Nhemogara´í", que é o batismo das crianças guaranis. O milho é servido em forma de um pão junto com o mel retirado da floresta, na Casa de Reza.

"Realizamos o ritual na cerimônia do batismo duas vezes por ano, em janeiro e em setembro, para o fortalecimento da espiritualidade das crianças. O ritual ocorre na presença do pajé e dos indígenas com a intenção de escolher o nome das meninas e dos meninos guaranis", explica o cacique Ricardo da Silva, "Werá Xunu".

O alimento, adquirido pelo departamento de Alimentação Escolar da Secretaria da Educação, é consumido na própria escola da aldeia Rio Branco para a merenda, já que o milho é considerado sagrado pela cultura guarani e não pode sair da aldeia.

PRÊMIOS

O projeto de Inclusão do Milho Guarani já recebeu três prêmios: Josué de Castro, em 2017, o da Fundação Getúlio Vargas, do projeto Bota na Mesa, e o Secani, pela Universidade Federal do Estado de São Paulo (Unifesp) em 2018.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Polícia prende dois homens suspeitos de tráfico de drogas em São Vicente

Os agentes estavam em um patrulhamento preventivo pela Rua Antônio Luís Barreiros, no bairro Japuí, quando encontraram dois homens na trilha do surfista

Tragédia

Homem de 23 anos morre afogado ao tentar buscar bola de futebol no mar

Segundo informações do Grupamento de Bombeiros Marítimos (GBMar), o afogamento aconteceu na Praia Preta

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software