Procon Guarujá fiscaliza comércio da Cidade por conta do Dia dos Pais

Além de fazer a orientação ao estabelecimento, os fiscais estão de olho em possíveis abusos praticados ao consumidor

Comentar
Compartilhar
08 AGO 2018Por Da Reportagem18h12
O Procon Guarujá tem percorrido os estabelecimentos de Guarujá e Vicente de Carvalho, para verificar possíveis abusos praticados ao consumidorO Procon Guarujá tem percorrido os estabelecimentos de Guarujá e Vicente de Carvalho, para verificar possíveis abusos praticados ao consumidorFoto: Divulgação/PMG

O Dia dos Pais está chegando e o comércio de Guarujá registra um aumento no fluxo de visitantes em busca do presente perfeito para o papai, cuja data será celebrada neste domingo (12). E de olho nessa movimentação, o Procon Guarujá tem percorrido os estabelecimentos de Guarujá e Vicente de Carvalho, para verificar possíveis abusos praticados ao consumidor, além de fazer o trabalho de orientação aos comerciantes.

Até o momento, já são oito estabelecimentos vistoriados. Destes, apenas um recebeu um termo de constatação – o que implica uma nova visita dos fiscais e, em caso do problema persistir, o comerciante pode ser multado. No local, os produtos não continham preço visível ao consumidor para o pagamento à vista. A fiscalização começou na última segunda-feira (6) e prossegue até sábado (11), em todo o comércio da Cidade. A iniciativa acontece em parceria com a Fundação Procon-SP.

O objetivo da Operação é verificar se os comerciantes obedecem as normas estabelecidas no Código de Defesa do Consumidor (CDC), entre elas as formas de pagamento disponíveis aos clientes. Entre os itens analisados também estão a obrigatoriedade de disponibilizar o CDC aos clientes, informação visível para recebimento ou não de pagamento em cheque, informar as formas de pagamento parcelados no cartão de crédito e aviso de proibido fumar.

O diretor do Procon Guarujá, José Roberto Mendez Reinaldo, o "Beto Feijó", falou que os comerciantes da Cidade estão cada vez mais atentos ao Código de Defesa do Consumidor (CDC). "Já percebemos algumas melhoras significativas como, por exemplo, o prazo da troca. Têm comércios que estão alongando o prazo de 30 dias, o que é uma liberalidade da empresa. Outro ponto é a troca de produtos com defeito, em que muitos estabelecimentos já fazem a substituição ou já efetuam a devolução do dinheiro do cliente", explicou.