X

OPERAÇÃO VERÃO

Polícia apreende mais de 600 celulares e peças usadas em Guarujá

Produtos estavam em duas lojas; ação investiga envolvimento na receptação de aparelhos furtados ou roubados

Da Reportagem

Publicado em 11/02/2024 às 15:00

Atualizado em 11/02/2024 às 15:06

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Viatura da Polícia Civil / Divulgação

A Polícia Civil apreendeu cerca de 600 celulares e peças de reposição sem origem declarada em duas lojas que funcionam como assistência técnica em Guarujá. A ação ocorreu no sábado (10) durante a Operação Verão, e teve apoio dos agentes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) e membros do Grupo de Operações Especiais (GOE), que estão na região para reforçar as estratégicas de segurança na Baixada Santista

A equipe de inteligência investiga estabelecimentos comerciais que atuam no ramo de assistência e troca de peças de celulares de maneira informal. De acordo com a Polícia Civil, há indícios de possível envolvimento na receptação de aparelhos celulares e outros eletrônicos furtados ou roubados.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Em um dos locais, no Jardim Praiano, os investigadores localizaram dezenas de peças, carcaças usadas e celulares pertencentes a terceiros. Os aparelhos estavam em processo de reparo, com o uso de componentes usados. O proprietário não apresentou qualquer documento que atestasse a origem dos produtos e, por isso, foi conduzido à delegacia.

Além disso, foram apreendidos diversos componentes que, segundo a Polícia Civil, “claramente são provenientes do desmonte de aparelhos celulares de origem desconhecida”. Contra o estabelecimento, já havia o registro de um boletim de ocorrência por apreensão de celular identificado como produto de furto em Araraquara, no interior de São Paulo.

Em outra loja, na Vila Baiana, os policiais encontraram durante as diligências mais de 120 celulares e cerca de 500 acessórios, peças e carcaças de reposição usados para os aparelhos. O proprietário não apresentou documentação comprovando a origem do material.

Os objetos localizados nas duas ocorrências foram apreendidos e encaminhados para a perícia para identificação e individualização dos materiais, permitindo consultas detalhadas sobre a existência de pendências ou registros criminais.

Os dois proprietários, de 23 e 43 anos, foram indiciados pelo emprego de componentes usados com base na lei número 8.078/90, conforme prevê o Código de Proteção e Defesa do Consumidor.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Saúde Pública

Itanhaém faz bloqueios para combater mosquito da dengue

Marinês explica que o setor está intensificando os bloqueios nos bairros onde tem os criadouros e nos locais onde há casos confirmados e suspeitos de dengue

Negou

Ex-prefeito Bili garante que não houve dolo e que vai recorrer de decisão

O juiz Leonardo de Mello Gonçalves, da Vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), condenou o ex-prefeito Luis Cláudio Bili Lins da Silva por improbidade administrativa e dano ao erário

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter