X

IMPASSE

Mulher e oito crianças ficam horas aguardando travessia em Bertioga

O caso mostra a fragilidade da travessia Guarujá-Bertioga, cuja operação depende de rebocadores e da maré

Carlos Ratton

Publicado em 18/01/2023 às 07:00

Atualizado em 18/01/2023 às 10:58

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Balsa entre Guarujá e Bertioga é feita com o auxílio de rebocadores / Nair Bueno/ DL

Imagine-se na seguinte situação: ficar das 11 horas da noite (23 horas) em diante, com oito crianças, sem ter onde se alimentar, abrigar e proteger, aguardando o momento da maré baixar para que os rebocadores, que empurram as balsas sem motor que realizam a travessia entre Guarujá e Bertioga, voltasse a cumprir a missão de atracar as balsas no flutuante fixo que dá acesso à terra firme.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Pois isso ocorreu, semana passada, com a cidadã Mônica Santanna, moradora da região do Rabo do Dragão, em Guarujá, que 'ousou' atravessar para Bertioga para levar as crianças a um parque de diversões. Quando ela conseguiu atravessar, já não havia transporte público para levá-la em casa. Ela ainda tinha que trabalhar na manhã seguinte.

"Só conseguimos atravessar duas horas depois, quando a maré subiu novamente. Perdemos o último ônibus que nos levaria para casa. Moramos próximos do quilômetro 14 da Rodovia Guarujá-Bertioga (Ariovaldo de Almeida Viana - SP-61). Deveriam deixar pelo menos uma catraia para pedestres", conta Mônica.

As paralisações totais e parciais constantes viraram rotina na região. A última mais duradoura ocorreu há um mês (dia 16 de dezembro), quando o sistema foi interditado para um reparo no equipamento localizado do lado de Bertioga, voltando somente no dia 18. O Diário publicou a situação.

"É revoltante e isso não pode ficar assim. Tenho passado ali todos dias. Não estão nem aí para quem paga o pedágio imagine para os pedestres. Estava relutante, mas vou ter que acionar o Ministério Público. Somos cidadãos e merecemos respeito", desabafa o diretor-secretário da Associação de Moradores da Cachoeira, Sidnei Bibiano dos Santos, que luta insistentemente por uma atenção dos poderes públicos em relação à travessia e outras questões de infraestrutura.

Além de pedestres, turistas e moradores são obrigados usar a Rodovia Doutor Manuel Hipólito Rego, a Rio-Santos, gastando tempo e combustível, como já ocorreu inúmeras vezes, após as paralizações por questões técnicas e relativas ao tempo e maré.

DH.

O Departamento Hidroviário do Estado de São Paulo (DH) já se manifestou afirmando que continuará mantendo, durante a temporada, travessia com rebocadores. Balsas com motores - como ocorre na travessia Santos-Guarujá - só serão viabilizadas em março próximo.

Segundo o DH, "a alternativa adotada traz vantagens em relação à manutenção. Caso haja algum problema, o rebocador pode ser rapidamente substituído por outro e a balsa volta operar normalmente. Esse modelo é utilizado em todo País e certificado pela Marinha do Brasil", explicou, negando negligência.

FRÁGIL.

Independente do acerto, ou não, sobre o sistema adotado há meses, o que acontece na realidade é uma travessia permanentemente frágil e prejudicial para cidadãos e cidadãs que se utilizam o transporte que une os dois municípios. Não seria difícil imaginar, por exemplo, a possibilidade de balsas ficarem à deriva em caso de incidentes.

Mesmo assim, o DH justifica que duas balsas alugadas com rebocador são estratégia adotada para que os usuários não sejam prejudicados enquanto as embarcações que atendem esta travessia passam por manutenção: "A manutenção, que vem ocorrendo em todas as embarcações desde o início da atual gestão, é importante para garantir segurança, conforto e confiabilidade".

PREFEITURAS.

A Prefeitura de Guarujá já havia revelado que encaminhou um ofício à Direção do DH pedindo o retorno das balsas com motor nas travessias entre o município e Bertioga, operadas diariamente com duas balsas alugadas com rebocadores desde novembro de 2021.

"Estamos pedindo providências o mais breve possível, alegando que a economia local sofre prejuízos com essa situação, na medida em que o trânsito de trabalhadores, turistas e mercadorias é diretamente prejudicado com as medidas adotadas", alerta a Administração.

Do outro lado, a Secretaria de Segurança e Mobilidade de Bertioga informa que a gestão da travessia Bertioga-Guarujá é responsabilidade do DH, ligado ao Departamento de Logística e Transportes do Governo do Estado. "A pasta reforça que, apesar da disposição para eventuais alternativas, as demandas sobre ações devem ser solicitadas ao órgão estadual", pondera.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Confira o resultado da Dupla Sena no concurso 2664, nesta sexta (17)

O prêmio é de R$ 4.200.000,00

Cotidiano

Confira o resultado da Super Sete no concurso 545, nesta sexta (17)

O prêmio é de R$ 1.250.000,00

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter