X

Guarujá

Morro do Macaco Molhado: obras de contenção são concluídas

No local, foram investidos R$ 25 milhões para recuperação da área que foi fortemente atingida pela tempestade do início de março deste ano

Da Reportagem

Publicado em 11/12/2020 às 16:06

Atualizado em 11/12/2020 às 21:20

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

A primeira etapa dos trabalhos, iniciada em maio, foi a remoção do material solto, como vegetação, pedras e terras / Divulgação

As obras de contenção no Morro da Bela Vista – também conhecido como Morro do Macaco Molhado, acabam de ser concluídas. Para recuperação da área, que foi uma das atingidas pelas fortes chuvas do início de março, foram repassados R$ 25 milhões pelo Governo do Estado ao Município de Guarujá. Á época, a Cidade decretou estado de calamidade pública devido aos deslizamentos de encostas causados pela tempestade.

A primeira etapa dos trabalhos, iniciada em maio, foi a remoção do material solto, como vegetação, pedras e terras. Em seguida, os técnicos realizaram a topografia da região, limitando a área onde os serviços seriam executados e também a sondagem, o que deu subsídios para elaboração do projeto executivo.

Em função da inclinação do morro, foram executados métodos para impermeabilização do solo, como a projeção de concreto na parte superior e a aplicação de tirantes de solo grampeado, estruturado com malha de ferro.

Outra técnica adotada foi a construção de um sistema de drenagem para auxiliar a captação de águas pluviais. Já para reduzir a velocidade da descida do líquido, escadas de dissipação de energia foram implantadas no local.

Ao longo dos últimos meses, mais de 100 funcionários foram envolvidos na ação, que contou com o suporte de maquinários e, inclusive, técnicas de rapel. "Tudo foi planejado para garantir a segurança dos trabalhadores e, principalmente, daqueles que vivem no entorno", explicou o secretário de Infraestrutura e Obras (Seinfra), Adilson de Jesus.

 

Áreas verdes

Para fixação do solo exposto, a solução encontrada foi a aplicação de hidrossemeadura de grama – uma geomanta flexível tridimensional composta por sementes, fertilizantes, camada protetora, entre outros produtos. Aplicada por jato de alta pressão, a técnica é utilizada para impedir o processo erosivo, geralmente causado pela ação da chuva e do vento.

Além disso, a geomanta tem a finalidade de viabilizar o crescimento de vegetação de porte baixo (gramíneas e leguminosas), que vão garantir não só a cobertura do solo, mas como também sua estabilização.

 

Cenário devastador

A tragédia de causas naturais aconteceu na madrugada de 2 de março. Em um curto período de tempo, o índice pluviométrico atingiu a marca de 405 milímitros,  superando o previsto para todo o mês de março.

Segundo os cálculos da Secretaria de Meio Ambiente (Semam), esse volume equivaleu a 58 milhões de metros cúbicos de água, o que corresponde a dois reservatórios da Usina Hidrelétrica de Itaipu, a segunda maior barragem do mundo e que abastece o Brasil e o Paraguai.

Só no Morro do Macaco e no Morro da Barreira, onde ocorreram os principais acidentes, desceu um total de 153 mil toneladas de sedimentos, materiais oriundos de origem vegetal, pedras e terras.

 

Outros morros atingidos

Uma semana após os deslizamentos, a Prefeitura de Guarujá solicitou R$ 77 milhões ao Governo Federal para obras de reestruturação dos pontos afetados e limpeza. Deste montante, só foram repassados R$ 20,5 milhões, para uso específico no chamado plano de resposta rápida, que compreende a serviços de limpeza e correção de estragos.

De acordo com a Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplan), R$ 17 milhões estão sendo designados para limpeza e remoção de sedimentos provenientes do escorregamento das encostas dos morros Barreira do João Guarda, Vila Baiana, Engenho e Cachoeira.

Os R$ 3,5 milhões remanescentes foram usados para limpeza de vias públicas, restauração de unidades de saúde deterioradas pelos impactos das chuvas torrenciais e remoção do entulho de casas que desabaram com o deslizamento de terra. 

A Prefeitura ainda aguarda verba para as obras estruturantes de contenção de encostas e prevenção de novos deslizamentos, a exemplo do Morro da Bela Vista. Para isso, o Município espera, no mínimo, R$ 42 milhões.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

POLÊMICA

Prefeitura de Santos quer arrecadar 56% a mais em IPTU dos terminais portuários

Inadimplência entre os terminais portuários supera em 40% a falta de pagamento do imposto por parte dos demais contribuintes do Município

MILHÃO

Câmara de Santos vai gastar R$ 41.306,00 por mês com painel eletrônico

Quase meio milhão, exatos 495.681,12 por ano com aluguel do equipamento e sistema integrado para votação de 21 vereadores

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter