Guarujá

Guarujá, São Vicente, Praia Grande e Bertioga têm recorde de furtos em 2023

Em Guarujá, a tendência de alta nos furtos segue ininterrupta desde 2019

Folhapress

Publicado em 28/01/2024 às 09:00

Comentar:

Compartilhe:

A Operação Verão, que reforça o policiamento no litoral durante o período de férias, resultou, até o momento, na prisão de 286 adultos e apreensão de 19 menores, segundo a pasta. Entre eles estavam 129 foragidos da Justiça. / Reprodução

Quatro cidades da Baixada Santista, em São Paulo, tiveram recorde de furtos em 2023, o primeiro ano da gestão Tarcísio de Freitas (Republicanos). Guarujá, Praia Grande, São Vicente e Bertioga registraram a maior alta do crime da série histórica, iniciada em 2001.

No ano passado, das 9 cidades da Baixada Santista, 6 tiveram alta no índice criminal ligado ao comércio ilegal de celulares roubados.

Bertioga teve a maior alta do ano, com 22% mais ocorrências do que em 2022, quando foram comunicados 1.419 casos. Em 2023, saltou para 1.735. Em comparação com 2021, a cidade quase dobrou no ano passado a quantidade de furtos.

Praia Grande foi o município com maior número de furtos, com 6.864 ocorrências, seguido por Santos (6.616), São Vicente (4.654), Guarujá (4.412), Itanhaém (2.516), Mongaguá (1.931), Bertioga (1.735), Peruíbe (1.670) e Cubatão (1.376).

Praia Grande teve em 2023 o terceiro ano consecutivo de altas nos furtos --em relação a 2021, houve aumento de 32% nas ocorrências.

Em Guarujá, a tendência de alta nos furtos segue ininterrupta desde 2019, após seis anos seguidos de baixa no indicador criminal. Em relação aos roubos, o balneário teve dois anos de crescimento consecutivos, 2022 e 2023, com salto de 25,5% no ano passado.

O mesmo ocorreu em São Vicente, que teve duas altas seguidas e viu um aumento de 65% no número de ocorrências de roubo em 2023 na comparação com 2021.

Em Santos, 2022 foi um dos anos mais violentos da cidade, quando houve um salto de 37% nos roubos em comparação a 2021, após sete anos seguidos de quedas nesse tipo de crime. No ano passado, manteve patamar parecido. Em relação aos furtos, o município mantém tendência de alta desde 2021.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública (SSP), da gestão Tarcísio de Freitas, disse que, na Baixada Santista em 2023, houve a recuperação de 2.326 veículos roubados e furtados, um aumento de 42,1% em relação ao ano anterior, e que 853 armas ilegais foram apreendidas, um crescimento de 19,1%. No período, foram presos 11.246 infratores, 9,5% a mais em comparação com 2022.

A Operação Verão, que reforça o policiamento no litoral durante o período de férias, resultou, até o momento, na prisão de 286 adultos e apreensão de 19 menores, segundo a pasta. Entre eles estavam 129 foragidos da Justiça.

Entre as cidades que tiveram queda nos registros de furtos, Itanhaém teve a maior retração, com 14% menos ocorrências do que no ano anterior. Mongaguá e Peruíbe registraram, respectivamente, 11% e 8% menos furtos no mesmo período.

A alta histórica de furtos na Baixada Santista já havia sido constatada em balanço prévio das estatísticas criminais de 2023, entre janeiro e novembro.

Policiais que atuam na região ouvidos pela reportagem indicaram que, assim como em outras partes do estado, o celular é o item mais visado, além de bicicletas e motos.

Em relação aos roubos, cinco municípios tiveram um 2023 com maior número de assaltos do que no ano anterior. O mais violento foi São Vicente, onde foram registrados 32% mais ocorrências, seguido por Guarujá (26%), Cubatão (24%), Praia Grande (16%) e Bertioga (5%).

Em Santos, Itanhaém, Mongaguá e Peruíbe caíram as ocorrências desse tipo.

A alta recorde de furtos também acometeu o estado de São Paulo no ano passado, quando foram registradas 576.278 ocorrências do tipo. O número é o maior da série histórica e 2,4% a mais do que o observado no período anterior (562.610).

Situação semelhante foi constatada na capital, onde os furtos atingiram patamar histórico. Foram 250,8 mil ocorrências ante 235,4 mil em 2022.

Chamado de crime de ocasião, o furto de celular é um crime de menor potencial ofensivo, mas o crescimento dos registros leva a uma crescente sensação de insegurança na população, segundo Carolina Ricardo, diretora-executiva do Instituto Sou da Paz.

Para o pesquisador Guaracy Mingardi, membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, as estatísticas refletem a expansão do crime de receptação de celular roubado por se tratar de um item rentável e fácil de revender. "O ladrão rouba celular porque é mais fácil, é rentável. Tem celular que o ladrão vai ganhar mais ou menos a mesma coisa do que ele ganha se roubar um carro, e o risco é menor", diz. "E [o aumento de furtos] vai continuar acontecendo. Não tem trabalho para se evitar o furto de celular", continua.

Além disso, o pesquisador explicou que o ano passado consolidou o período pós-pandemia em que as pessoas voltaram à vida normal sem as restrições impostas pela Covid-19. "O pessoal começou a ir mais para praia. Então, vai ter mais turista e mais celular circulando nessas cidades."
 

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Sistema Anchieta-Imigrantes tem 5km de lentidão; veja os trechos

Informação foi divulgada pela Ecovias

São Vicente

Equipe de companhia elétrica é espancada ao tentar cortar luz no Litoral de SP; VEJA

Caso aconteceu em São Vicente e um homem precisou ser hospitalizado

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter