Guarujá deverá remover mais de 300 famílias em área de risco na linha férrea

Termo de compromisso com a MRS Logística será assinado no dia 17, dentro das comemorações do Dia do Padroeiro. Convênio prevê aporte de quase R$ 6 milhões destinados à produção habitacional do Município

Comentar
Compartilhar
14 JAN 2020Por Da Reportagem11h33
Serão priorizadas, por questão de segurança, 312 famílias das comunidades Marezinha e Prainha, que moram em área invadida, ao lado da linha férreaFoto: Divulgação / Prefeitura Municipal de Guarujá

A Prefeitura de Guarujá assina no próximo dia 17, às 11 horas, termo de compromisso com a MRS Logística S/A, operadora da Malha Regional Sudeste da Rede Ferroviária Federal S/A, que aportará ao Município R$ 5,9 milhões, destinados ao apoio à produção habitacional do Parque da Montanha – empreendimento já em andamento. Atividade integra programação do Dia do Padroeiro (Santo Amaro), celebrado na próxima quarta-feira (15).

Nesse contexto, serão priorizadas, por questão de segurança, 312 famílias das comunidades Marezinha e Prainha, que moram em área invadida, ao lado da linha férrea. A situação expõe famílias a perigo iminente de acidentes e vulnerabilidade social há décadas.

A partir da assinatura do termo de compromisso, que visa garantir mais segurança  para a comunidade e para as operações ferroviárias, o destino dessas famílias vai mudar. Além de possibilitar a remoção de uma área de risco, os recursos aportados também auxiliarão na logística de reassentamento, demolição, limpeza e vedação da faixa de domínio ferroviário, para que não haja novas ocupações. As famílias serão removidas e reassentadas nas novas unidades habitacionais do Conjunto Parque da Montanha.

Parque da Montanha
Guarujá vem trilhando um caminho de esperança e de recuperação de dignidade. E parte desta recuperação, que o governo municipal está realizando, vem com a retomada de obras paralisadas e que devem mudar os rumos da Cidade. Uma delas é o Conjunto Habitacional do Parque da Montanha, localizado na Avenida Raphael Vitiello, na região da Vila Edna

De acordo com o projeto, o empreendimento, que terá um total de 1992 unidades, destinadas a famílias  da Prainha, Marezinha e Sítio Conceiçãozinha, em Vicente de Carvalho, teve sua produção habitacional retomada  em abril de 2018, depois de ficar mais de uma década paralisada.

A obra faz parte da terceira etapa do Projeto Favela Porto Cidade, da Secretaria Municipal de Habitação (Sehab), e recebe recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC I), do Governo Federal.

Recursos
Em janeiro do ano passado, o prefeito oficializou o financiamento de recursos de pouco mais de R$ 63 milhões para a área habitacional.

Os recursos foram financiados por meio do Programa de Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento (Finisa), liberados para o Município no decorrer de 2019 e deste ano.Parte desse montante é destinada para as obras de infraestrutura urbana e produção habitacional do Parque da Montanha.