Guarujá capacita profissionais para implantar classificação de risco na UPA Enseada

A expectativa é de que o sistema seja implementado a partir do próximo dia 18

Comentar
Compartilhar
10 OUT 2018Por Da Reportagem12h57
Guarujá capacita profissionais para implantar classificação de risco na UPA EnseadaGuarujá capacita profissionais para implantar classificação de risco na UPA EnseadaFoto: Hygor Abreu

Depois do PAM Rodoviária, o mais novo equipamento da rede de urgência e emergência da rede municipal de saúde a contar com a classificação de risco será a UPA Enseada. A expectativa da Secretaria de Saúde de Guarujá é de que o sistema passe a funcionar a partir da próxima quinta-feira (18).

Para isso, a Prefeitura tem feito todo um trabalho, através das capacitações como foco no Acolhimento com Classificação de Risco, envolvendo os profissionais da UPA Enseada. A ação é da Diretoria de Urgência/Emergência, em parceria com a Coordenadoria de Educação Permanente em Saúde.

Desde setembro já aconteceram duas capacitações (municipal e regional), dedicadas aos enfermeiros, principais responsáveis pelo acolhimento. Só dentro da UPA Enseada, neste mês, foram seis encontros para capacitações em fluxo de atendimento de Acolhimento com Classificação de Risco, e outras duas, para os enfermeiros classificadores. No total, já são mais de 28 horas de atividades, entre reuniões e treinamentos.

O Acolhimento com Classificação de Risco visa acolher o usuário dentro da sua necessidade e por prioridade de risco clínico, tornando o atendimento mais humanizado. A medida também altera o processo de trabalho das equipes e o fluxo de atendimento do usuário na UPA, o que justifica a necessidade de capacitar as equipes para as mudanças.

Responsável pelas capacitações, a coordenadora de Educação Permanente em Saúde da Prefeitura, Ângela Cafasso dos Reis Neto, explica que a classificação de risco é um instrumento de humanização do atendimento, estabelecendo mudanças na forma e no resultado do atendimento do usuário do SUS.

"Possibilita a ampliação da resolutividade ao incorporar critérios de avaliação de riscos, que levam em conta toda a complexidade dos fenômenos saúde/ doença, o grau de sofrimento dos usuários e seus familiares, a priorização da atenção no tempo, diminuindo o número de mortes evitáveis, sequelas e internações", comenta.