Escola de Samba Amazonense tem nova presidência

Diretoria e conselho tomaram posse em festa que aconteceu no último sábado (11)

Comentar
Compartilhar
15 AGO 2018Por Da Reportagem16h25
O novo presidente da Amazonense é Daniel SantosO novo presidente da Amazonense é Daniel SantosFoto: Divulgação

Mantendo tradição e história, o GRCES Mocidade Amazonense tem uma nova diretoria executiva e um novo conselho administrativo. A cerimônia de posse aconteceu no último sábado (11), e reuniu diversas pessoas em uma festa na quadra da escola (Rua Francisco Alves, 72 – Vicente de Carvalho).

O novo presidente da Amazonense é Daniel Santos, que assume junto ao vice Thiago Souza e de mais oito membros da diretoria. A chapa Resgate Verde e Branco era a única na disputa e assumiu o comando da escola. Junto com ela, assume o novo conselho administrativo, formado por 11 membros da Velha Guarda, escolhidos através de votação interna entre eles. O mandado dura três anos.

"É uma honra e um desafio estar na presidência da Amazonense. A gente tem uma equipe muito boa para o Carnaval e também vou focar em criar projetos sociais, como esportes e costura. Assim trazemos a comunidade novamente para a escola", contou o novo presidente. Daniel está há 26 anos na Amazonense e fazia parte da bateria da agremiação.

Na festa da posse, diversas atrações animaram as mais de 800 pessoas presentes, como a apresentação da Velha Guarda, da Ala Musical e das alas da escola. Além delas, o saxofonista carioca Chacal do Sax veio pela primeira vez para a Baixada Santista. "A coisa que mais me emocionou na festa foi ver novamente pessoas que frequentavam antigamente e estão voltando para a escola", diz Daniel.

Fundada em 1972, o GRCES Mocidade Amazonense tem 45 anos de história de carnavais no Guarujá. Com sede em Vicente de Carvalho, a escola desfila no Carnaval de Santos, tendo sido campeã em 1992 e em 2009. Nos desfiles, uma média de 2.000 pessoas compõe as alas da escola.

Para o desfile do próximo ano o enredo já está definido. 'A Ilha do Sol, a Pérola perdida no Atlântico' leva, pela primeira vez, a história de Guarujá para a avenida.