Contraponto! Confira os destaques da coluna de 12 de março de 2021

Movimento quer resgatar prestígio internacional de Guarujá

Comentar
Compartilhar
12 MAR 2021Por LG Rodrigues09h00
A 'Ação Viva Guarujá e Vicente de Carvalho – AVIGUA' é uma iniciativa do engenheiro José Manoel Ferreira GonçalvesA 'Ação Viva Guarujá e Vicente de Carvalho – AVIGUA' é uma iniciativa do engenheiro José Manoel Ferreira GonçalvesFoto: ARNAUD PIERRE COURTADON/DIÁRIO DO LITORAL

Em Guarujá. A cidade que um dia ficou conhecida como a "Pérola do Atlântico" ganha um novo movimento para resgatar sua importância como local de preservação da natureza e incentivar a cidadania e as atividades sustentáveis de seus moradores, além de contribuir para que volte a ser um polo turístico reconhecido no mundo.

Quem é? A 'Ação Viva Guarujá e Vicente de Carvalho – AVIGUA' é uma iniciativa do engenheiro José Manoel Ferreira Gonçalves, que nasce com o apoio de lideranças locais e profissionais engajados no desenvolvimento socioambiental e econômico da região. O objetivo da AVIGUA é abrir um espaço democrático de atuação em defesa do patrimônio natural, da revitalização urbanística, apoio à geração de renda e emprego e incentivo à atividade turística sustentável.

Repúdio. O vereador Cacá Teixeira (PSDB) utilizou parte do seu tempo durante a sessão da Câmara de Santos realizada nesta terça-feira (dia 9) para repudiar o posicionamento do deputado estadual Wellington Moura (Republicanos), que é de Santos, no processo contra o deputado Fernando Cury (Cidadania), acusado de importunação sexual contra a deputada Isa Penna (PSOL). Moura defendeu afastamento de Cury por apenas 119 dias, o que garantirá ao deputado acusado manter seu gabinete funcionando.

Conselho de Ética. Relator do processo, o deputado Emídio de Souza (PT) defendia o afastamento de 6 meses. No entanto, o Conselho de Ética da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) aprovou por cinco votos a quatro, a proposta branda feita por Moura.  Também votaram pelo afastamento de 119 dias os deputados Delegado Olim (PP), Alex de Madureira (PSD), Adalberto Freitas (PSL) e Estevam Galvão (DEM).

Abre aspas. "O deputado (Cury) cometeu um erro e tem que ser condenado pelo que cometeu. O afastamento de seis meses seria uma pena aplicável. Infelizmente um deputado da nossa região teve um posicionamento diferente e outros deputados acompanharam", disse Cacá, que ainda destacou que a decisão ocorreu no mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher. Cacá Teixeira é presidente da Comissão de Ética, Decoro e Corregedoria Parlamentar da Câmara de Santos. "Se o caso fosse aqui, a pena de Cury não seria abrandada".

Para lembrar. Em dezembro, a deputada Isa Penna teve os seios tocados por Fernando Cury durante uma sessão na Alesp. A ação foi registrada por câmeras. Na sequência ela entrou com pedido de processo contra Cury.