Comunidades de Guarujá recebem doações de alimentos de alunos da Unoeste

Iniciativa dos acadêmicos da Faculdade de Medicina arrecadou mais de meia tonelada de alimentos para famílias carentes impactadas pela pandemia

Comentar
Compartilhar
04 JUN 2021Por Da Reportagem09h55
Ao todo, foram arrecadados 545 quilos de alimentos em três diferentes pontos de coleta nas cidades de Guarujá e SantosAo todo, foram arrecadados 545 quilos de alimentos em três diferentes pontos de coleta nas cidades de Guarujá e SantosFoto: Gabriel Marques / Divulgação

Alunos da Faculdade de Medicina de Guarujá doaram mais de meia tonelada de alimentos para pessoas de comunidades em situação de vulnerabilidade por conta da pandemia. A campanha faz parte do projeto Pense no Coletivo Unoeste, que reúne diversas iniciativas de alunos no combate à pandemia da Covid-19.

Ao todo, foram arrecadados 545 quilos de alimentos em três diferentes pontos de coleta nas cidades de Guarujá e Santos. Dois locais foram escolhidos para destinar os alimentos: a Associação Lar Espírita Cristão Elizabeth (Alece) e a Ação Comunitária do Canta Galo (ACG). Neste último, também foram doados livros arrecadados na semana de recepção dos calouros para o projeto de ensino e reforço escolar da região.

A Alece faz mais de 28 mil atendimentos sociais por mês, sendo a maioria por meio do Restaurante Alimenta Cidadão Tibério Birolini, que oferece refeições balanceadas à população da Vila Baiana, comunidade carente localizada próxima às instalações do novo campus da Unoeste em Guarujá.

Já ACG oferece reforço escolar para as crianças da região e práticas esportivas para jovens e adultos. Além disso, o projeto oferece suporte para mulheres em situação de vulnerabilidade na região da comunidade do Canta Galo, no bairro da Enseada.

O projeto Pense no Coletivo Unoeste traz diversas iniciativas acadêmicas com o foco no combate à pandemia da Covid-19. Isso inclui desde campanhas feitas através do Programa de Aproximação Progressiva à Prática (Papp) até um site com conteúdo informativo e jogos desenvolvidos por nove ligas acadêmicas da Faculdade de Medicina de Guarujá.

Representante do Diretório Acadêmico Agripino de Oliveira Lima Filho, a acadêmica Vitória de Souza Gomes afirmou que é de extrema importância exercer esta ação, tanto na construção acadêmica quanto na construção humana dos alunos. “Esta atividade se torna ainda mais importante no cenário de pandemia que estamos vivendo, em que pessoas perderam empregos, familiares e até mesmo a oportunidade de se alimentar de forma digna”, relata.

Já a acadêmica do 1º termo Rayane Luize Silva Bandeira acredita que a iniciativa não apenas ajuda a comunidade, como também fortalece a solidariedade entre os alunos. “Isso vai além de ajudar a população e criar uma rede de apoio, porque é algo que fortalece o vínculo com a população da cidade. Estimular essas ações é um jeito de inserir os alunos em um meio mais humanizado e isso contribui com o desenvolvimento da profissão médica em si”, conta.

O docente Everton Lopes Rodrigues apontou que a ação promove uma reflexão sobre o papel da universidade com a cidade em que ela está inserida. “Vivemos, infelizmente, o segundo ano da pior pandemia da história recente no mundo. Em meio a todas as dificuldades enfrentadas, podemos ter a certeza de que a única forma de alcançarmos a vitória nesse momento é por meio da solidariedade na prática diária, da empatia e da valorização da ciência”, afirma.