X
Guarujá

Audiência Pública aborda indenização e danos ambientais coletivos aos pescadores

Outro tema discutido foi o dano moral coletivo, em que serão elaboradas algumas compensações ambientais, incluindo entre elas a aquicultura

Guarujá recebeu na última segunda-feira (24) uma audiência pública tendo como tema o incêndio da Ultracargo e os danos ambientais causados pela explosão de um tanque de combustível da empresa, em 2 de abril de 2015. A ação foi realizada na Câmara Municipal, pelo Ministério Público Federal e Promotoria do Gaema – Reparação Ambiental e dos Pescadores de Guarujá.

A reunião foi discutida em duas partes. Na primeira, Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Instituto Maramar e o Ministério Público Federal e Estadual debateram com a Ultracargo uma indenização anual de R$ 1.076,20 (salário mínimo paulista) aos pescadores, para que realizem a recuperação do estuário.

Para isso, esses trabalhadores deverão ficar 1 ano sem pescar em determinadas áreas, a serem demarcadas em breve. Eles deverão ainda levar a autodeclaração junto ao Maramar, para que o Ministério Público e a empresa possam checar a veracidades dos documentos, de modo a coibir quem não é pescador.

Outro tema discutido foi o dano moral coletivo, em que serão elaboradas algumas compensações ambientais, incluindo entre elas a aquicultura. Para isso, vem sendo estudada a criação de peixes em cativeiro em Guarujá, além da modernização de todas as colônias de pescadores artesanais, com o incentivo ao cooperativismo.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente de Guarujá, Sidnei Aranha, a Prefeitura analisa a possibilidade de discutir uma ação coletiva de indenização pretérita dos pescadores. “Estamos acompanhando cada passo das reuniões e fazendo as fiscalizações. O importante é que os pescadores estiveram presentes na reunião”, disse.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Itanhaém

Audiência pública discute propostas sobre zoneamento urbano em Itanhaém

Empresa Geo Brasilis apresentou informações técnicas sobre as características do município

Saúde

Ocupação de leitos de UTI de Covid-19 só aumenta na Baixada Santista

Região ainda não teve um único dia de diminuição de leitos ocupados durante todo o ano de 2022 segundo Seade

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software