‘Nós avisamos’, diz, aliviado, grupo que perdeu PSL para Bolsonaro

Pense numa pessoa aliviada. Pensou? Agora multiplique por dez. Esse é o sentimento de Paulo Gontijo, presidente do Livres, grupo liberal que está acompanhando de camarote a confusão no PSL.

Comentar
Compartilhar
19 OUT 2019Por Folhapress15h31
O presidente Jair Bolsonaro (PSL).Foto: Isac Nobrega/PR/AB

Pense numa pessoa aliviada. Pensou? Agora multiplique por dez. Esse é o sentimento de Paulo Gontijo, presidente do Livres, grupo liberal que está acompanhando de camarote a confusão no PSL.

A explicação é que o Livres escapou de estar no meio da brigalhada no partido (ainda) do presidente Jair Bolsonaro.

"É uma novela mexicana de segunda divisão", resume Gontijo. "É até difícil acompanhar: fulaninho que trai beltrano, um que passa a perna no outro, a Carla Zambelli que xinga a Joice Hasselmann e é xingada de volta".

Numa era distante, em que Bolsonaro era apenas um deputado federal do baixo clero cuja pretensão de disputar a Presidência era vista com descrédito, o Livres surgiu com uma nova proposta. Ser um raro movimento liberal na economia e também nos costumes.

Criado em 2015, reuniu gente de peso, como os economistas Persio Arida e Elena Landau, e começou a procurar um partido para se hospedar. Chegaram ao PSL, que era apenas uma legenda nanica e buscava um novo projeto. Deu match.

Os líderes do Livres filiaram-se ao partido e começaram a controlar diretórios estaduais. Chegaram a dominar 12 deles. Tinham como aliado Sergio Bivar, presidente da fundação do partido e filho do carique da legenda, Luciano Bivar.

Sergio, hoje afastado da política, tinha uma cabeça liberal, bem diferente da do pai, um deputado e ex-cartola (do Sport) que disputou a Presidência em 2006, quando obteve 0,06% dos votos.

Mas aí, lá para o final de 2017, as coisas começaram a ficar estranhas. Bolsonaro, de saída do PSC, começou a procurar um partido que pudesse controlar. Acenou para o Patriota, mas começou a negociar sua filiação ao PSL com Bivar.

O Livres incomodou-se. Afinal, apesar dos acenos de Bolsonaro a políticas econômicas liberais, o discurso conservador e as bravatas do presidenciável incomodavam. Gontijo foi tirar satisfação com Bivar, que garantiu: era tudo especulação.

O Livres acreditou e colocou um comunicado em seu página no Facebook garantindo que Bolsonaro não se filiaria ao PSL.

Menos de um mês depois, em janeiro de 2018, a especulação virou realidade. Bolsonaro entrou e o Livres saiu.
Hoje, o grupo se mantém como um movimento suprapartidário, com filiados espalhados por partidos como Cidadania, PSDB, PSB, Novo e Rede.

"O PSL virou briga na pelada da várzea, um negócio horroroso", afirma Gontijo.

Apesar da indisfarçável schadenfreude, ele acha a situação "institucionalmente ruim" para o país.

"É triste que a principal legenda de apoio ao governo esteja se comportando dessa forma. É o que acontece quando você não tem um projeto de verdade. O PSL é um bando, que se juntou apenas por um projeto de poder", afirma.