governo 2

Bolsonaro diz que Alemanha estava 'comprando a Amazônia a prestações' com verba ambiental

A Alemanha anunciou que suspenderá repasses a projetos de proteção da Amazônia enviados ao Brasil. A embaixada diz que a decisão "reflete a grande preocupação com o aumento do desmatamento na Amazônia brasileira".

Comentar
Compartilhar
11 AGO 2019Por Folhapress19h12
O presidente Jair Bolsonaro.Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro sugeriu neste domingo (11) que a Alemanha faça bom uso dos recursos do país que seriam destinados à Amazônia e foram suspensos por conta de aumento do desmate. Segundo ele, o Brasil não precisa da verba.

No sábado (10), a Alemanha anunciou que suspenderá repasses a projetos de proteção da Amazônia enviados ao Brasil pelo Ministério do Meio Ambiente alemão. A embaixada diz que a decisão "reflete a grande preocupação com o aumento do desmatamento na Amazônia brasileira".

Segundo o jornal Tagesspiegel, Svenja Schulze, ministra do Meio Ambiente do país, afirma que a suspensão pode ultrapassar os R$ 150 milhões.

"Ela [Alemanha] não vai mais comprar a Amazônia, vai deixar de comprar a prestações a Amazônia. Pode fazer bom uso dessa grana. O Brasil não precisa disso", disse o presidente.

Recentemente, o desmatamento na Amazônia cresceu de modo acentuado. A destruição em junho aumentou 88% e em julho 278% – em comparação a junho e julho de 2018 – , segundo dados do Deter (Detecção do Desmatamento em Tempo Real) do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

O governo Bolsonaro tem criticado a divulgação dos dados de desmate e afirmado que eles podem prejudicar acordos comerciais. As críticas do governo, porém, não são amparadas por informações científicas.

A relação ambiental entre o Brasil e países europeus que dão recursos para proteção do ambiente tem se deteriorado desde o início da gestão Bolsonaro.

Questionado sobre possível impacto do corte dos repasses na imagem do Brasil, Bolsonaro disse que essa não é a preocupação dos países europeus.

"Você acha que grandes países estão interessados na imagem do Brasil ou em se apoderar do Brasil?", afirmou.