Williams admite erro, e Massa ironiza ‘faster than you’: “Deu vontade de rir”

A mensagem chegou aos ouvidos do piloto paulista, que não obedeceu e seguiu à frente do seu companheiro de equipe. O grupo britânico admitiu que errou e pediu desculpas ao brasileiro

Comentar
Compartilhar
03 ABR 201415h49

Quase quatro anos depois de ouvir que Fernando Alonso estava mais rápido que ele, Felipe Massa voltou a receber uma polêmica mensagem via rádio, durante o GP da Malásia, no último domingo. Desta vez, foi a equipe Williams – e não a Ferrari – que informou que o companheiro de equipe do brasileiro, Valtteri Bottas, pedia passagem (“Valtteri is faster than you”). O paulista não cedeu a posição e, nesta quinta-feira, durante os preparativos para o GP do Bahrein, revelou que sentiu vontade de rir quando escutou a ordem da equipe azul. O grupo britânico, por sua vez, admitiu que errou e pediu desculpas ao brasileiro.

A polêmica aconteceu na 53ª volta da última prova da Formula 1, disputada no fim de semana passado, na Malásia. Felipe Massa ocupava a sétima posição, uma a frente de Bottas, que, naquele instante, girava mais rápido que o brasileiro. O finlandês, então, pediu à Williams que avisasse deste fato ao paulista, para que ele lhe cedesse a colocação e desse a oportunidade de atacar o inglês Jenson Button, da McLaren, que estava em sexto. A mensagem chegou aos ouvidos de Massa, que, por sua vez, não obedeceu e seguiu à frente do seu companheiro de equipe.

Segundo o brasileiro, quando ouviu o “Valtteri is faster than you”, foi impossível não se recordar do GP da Alemanha de 2010, quando a Ferrari pediu para que ele abrisse passagem ao espanhol Fernando Alonso. “Lógico que foi um pensamento que me aconteceu naquele momento. Tipo, parecia uma brincadeira. Sem dúvida, quando ouvi aquela frase de novo deu até vontade de rir, para falar a verdade. Mas não por causa disso, porque não era a coisa certa naquele momento, pelo que estava acontecendo. Era a coisa totalmente errada a fazer”, revelou Massa.

O brasileiro ainda não classificou a sua atitude como “revoltosa” e declarou que cederia a posição caso achasse necessário. “Não tenho nenhum receio daquilo que aconteceu. E se alguma vez acontecer algo parecido, vou fazer o mesmo. Sou profissional, sempre fui profissional com a empresa que trabalho. Na hora certa, no momento certo, eu seria o primeiro a ajudar a equipe. Mas na hora errada, não”, acrescentou.

O paulista não cedeu a posição e ainda revelou que sentiu vontade de rir quando escutou a ordem da equipe azul (Foto: Divulgação/Williams)

Também nesta quinta-feira, a Williams se pronunciou pela primeira vez sobre o assunto e, representada pela chefe substituta, Claire Williams, admitiu que errou com Felipe Massa. “A maneira que a mensagem foi dita, até pelo histórico, não foi a adequada. Mas temos de entender que estes engenheiros trabalham sob imensa pressão e às vezes eles erram. O importante é corrigir”, disse Claire ao TotalRace, antes de elogiar o brasileiro. “Ele foi ótimo nas conversas abertas que tivemos depois da prova no sentido de que ‘temos um problema e precisamos resolvê-lo’”.

Valtteri Bottas, por sua vez, pareceu ainda não ter engolido a atitude de Massa. Uma semana depois de criticar o brasileiro, ele disse que, se estivesse na posição de Felipe, teria deixado o companheiro de equipe ultrapassá-lo. “Se a equipe me pedisse para deixá-lo passar, eu abriria. Seria justo. Se eu sei que posso passar (o Button) e você não pode, isso seria justo” , declarou, antes de decretar: “O esporte é melhor sem ordens de equipe, mas às vezes elas são necessárias para conseguir mais pontos para a equipe”.