Titular confirmado, Cavalieri vê Argentina como “jogo da vida”

O goleiro é o único titular confirmado pelo técnico Mano Menezes. Esta é a primeira convocação de Diego Cavaleiri

Comentar
Compartilhar
20 NOV 201215h17

A primeira convocação de Diego Cavalieri para a Seleção Brasileira não poderia ser melhor. Além de integrar o grupo que tentará o bicampeonato no Superclássico das Américas, nesta quarta-feira (21), contra a Argentina, o goleiro do Fluminense também foi o único titular confirmado pelo técnico Mano Menezes nos treinos desta terça-feira (20). Este conjunto de fatores foi suficiente para que o arqueiro apontasse este como o “jogo de sua vida”.

Cavalieri sagrou-se campeão nacional com o Fluminense na vitória por 3 a 2 sobre o Palmeiras, em Presidente Prudente. O triunfo garantiu o título ao Tricolor das Laranjeiras com três rodadas de antecedência e levou Mano Menezes a prestar mais atenção no elenco carioca. 
 
Junto com o goleiro, o treinador optou pela convocação do volante Jean, do meia Thiago Neves e do atacante Fred, que havia feito duras críticas ao seu trabalho à frente da Seleção.
 
“Esta é a minha primeira oportunidade de jogar e será o jogo mais importante de toda a minha vida. Eu tenho que administrar isso e encarar como se fosse uma partida normal. Não posso deixar que nada de fora tire a minha concentração e preciso ter a tranquilidade de sempre para fazer o que eu apresento no meu dia a dia. Não posso querer inventar ou mostrar alguma coisa além do que eu sempre fiz”, discursou o camisa 1 canarinho.
 
Diego Cavalieri foi confirmado por Mano Menezes como o dono da camisa 1 nesta quarta-feira (21) (Foto:André Lessa/Estadão Conteúdo)
 
Como apenas atletas que atuam no futebol nacional foram convocados para o Superclássico, o arqueiro tricolor espera agarrar a oportunidade para figurar mais vezes entre os selecionáveis.
 
“Eu estou feliz com essa primeira oportunidade de estar aqui e cabe a mim aproveitar da melhor maneira o período que vai desde a concentração até a volta para a minha casa. A concorrência aqui dentro é muito grande, o Brasil tem excelentes goleiros e essa é mais uma responsabilidade para que eu possa mostrar o meu trabalho e ser lembrado futuramente”, acrescentou.

Colunas

Contraponto