Tite prega respeito, elogia “alma” do Palmeiras e coíbe provocações

O técnico não quer que o contraste entre os momentos dos dois rivais influencie negativamente os seus jogadores no Pacaembu.

Comentar
Compartilhar
15 FEV 201319h55

O favoritismo do Corinthians no clássico com o Palmeiras, no domingo, é proporcional à cautela de Tite com o assunto. Sempre comedido em suas declarações, o técnico não quer que o contraste entre os momentos dos dois rivais influencie negativamente os seus jogadores no Pacaembu.

“É claro que, se pegarmos o retrospecto recente e a fase de reestruturação do Palmeiras, o Corinthians aparece como favorito. Mas isso não nos credencia a nada. Já venci clássicos em que o adversário fazia campanhas extraordinárias. Saímos de uma eliminação de Libertadores para o Tolima e ganhamos do Palmeiras. Não estou fugindo da responsabilidade. Só que tudo some na hora do jogo, e eu sei disso”, argumentou.

Tite se referiu à crise que conseguiu contornar com a vitória por 1 a 0 sobre o Palmeiras no Campeonato Paulista de 2011, com gol marcado pelo lateral direito Alessandro. Naquela época, bem diferente de agora, seu time era criticado por ter sido eliminado da pré-Libertadores pelo modesto Tolima, da Colômbia. “Curto e grosso: se eu perdesse aquele clássico, talvez não estivesse aqui hoje. Esta é uma grande verdade.”

Apesar dos problemas, o Palmeiras ao menos vem de uma vitória na Libertadores. Derrotou por 2 a 1 o peruano Sporting Cristal, na quinta-feira, e colaborou com o discurso respeitoso de Tite nesta sexta-feira. “O Palmeiras jogou com muita alma. Espero o mesmo agora, até pelo desempenho que eles tiveram. O espírito foi competitivo. Um bom jogo sempre gera confiança”, enalteceu, sem fazer avaliações profundas sobre o rival. “Isso eu não posso passar”, sorriu.

O treinador corintiano elogiou a “alma” do Palmeiras (Foto: Divulgação/Corinthians)

Tite espera que os jogadores do Corinthians adotem uma postura semelhante à sua. O treinador condena qualquer tipo de provocação. Ele não gosta nem sequer de lembrar os insultos a rivais que os seus atletas desferiram quando festejaram com a torcida o título mundial do ano passado. “Todas as situações têm seu tempo. Não podemos confundir as coisas. É outro momento. A festa já passou, então não vou fomentar isso. Vamos ficar com a grandeza do espetáculo”, discursou.

Para Tite, não é necessário fazer muitos alertas para os campeões mundiais se comportarem em campo. “É da nossa índole, do jeito de ser. Temos muito respeito pela grandeza do clássico. Há tanta coisa bonita e legal para falar sobre isso. Provocações podem gerar uma violência que acarreta até em morte. Não haverá desrespeito da nossa parte. Queremos vencer e curtir a vitória entre nós”, garantiu o técnico favorito.