Tite pede que Corinthians pare de tomar gol, mas poupa defesa

No domingo (24), houve três falhas maiores, duas das quais foram aproveitadas pelo Bragantino

Comentar
Compartilhar
25 FEV 201312h11

O aclamado sistema defensivo do Corinthians levou sete gols nas últimas quatro partidas. No domingo (24), houve três falhas maiores, duas das quais foram aproveitadas pelo Bragantino, o que levou Tite a fazer uma queixa antes mesmo de ser questionado sobre o assunto.

“Precisamos parar de tomar gol. Aproveito  para fazer essa reclamação pública. Mas não é a defesa, não é o sistema defensivo. É toda a engrenagem, é algo que começa lá na frente, tem uma situação de falta”, afirmou o treinador, sem citar nominalmente a infração cometida por Romarinho no lance que originou o segundo gol do Bragantino.

Na batida, Lincom aproveitou que Edenílson parou e ganhou de Ralf para marcar de cabeça. Edenílson já havia falhado no gol de Léo Jaime, deixando de fazer a função do lateral, que é fechar o espaço e se juntar à defesa quando o cruzamento vem do outro lado.

O ótimo volante Ralf não vive seu melhor início de ano com a camisa do Corinthians (Foto: Djalma Vassão/ Gazeta Press)

Tite não reclamou especificamente de nenhum atleta. Preferiu apontar as dificuldades naturais do entrosamento de novos jogadores – como o zagueiro Gil, substituto do ainda contundido Chicão – e lembrou que os titulares começaram o ano mais tarde por causa do Mundial, disputado em dezembro.

“É precisão, coordenação fina. Pagamos um preço por voltar depois”, disse o técnico, em resposta sobre finalizações erradas que pode se aplicar aos problemas na marcação. “Aos poucos, você vai tendo entrosamento. Estamos ganhando esse entrosamento com o Renato (Augusto), o Pato e o Gil.”