Banner gripe

Tite pede clássico sem violência entre Corinthians e São Paulo

"Será um jogo de dois campeões mundiais. Isso é motivo de orgulho para as equipes e a torcida. Que seja um espetáculo dentro de campo, sem violência", disse

Comentar
Compartilhar
12 FEV 201513h02

Com a classificação para a fase de grupos da Libertadores garantida após o empate por 1 a 1 com o Once Caldas, em Manizales, Tite já começa a planejar o confronto com o São Paulo na noite de quarta-feira, no Itaquerão. O treinador do Corinthians prevê um grande duelo, mas teme pela violência entre as torcidas.

"Será um jogo de dois campeões mundiais. Isso é motivo de orgulho para as equipes e a torcida. Que seja um espetáculo dentro de campo, sem violência. Não gostaria de ver o noticiário voltado para a violência”, disse, sobre a partida válida pela primeira rodada do Grupo 2 da Libertadores.

Tite não poderá contar com o atacante Guerrero, que pegou três partidas de suspensão por sua expulsão no primeiro confronto com os colombianos - o peruano também não jogará contra o San Lorenzo na segunda rodada, em Buenos Aires. O treinador, porém, não quis comentar a punição ao atacante. "Não vou fazer comentário. Vou deixar para o departamento jurídico falar”, disse.

O treinador do Corinthians prevê um grande duelo, mas teme pela violência entre as torcidas (Foto: Agência Corinthians)

Além de Corinthians, São Paulo e San Lorenzo, o Grupo 2 da Libertadores conta com o Danúbio, do Uruguai. Por isso, a chave já vem sendo chamada de "grupo da morte". "O grupo é difícil, mas nós já sabíamos disso”, disse Tite.

O Corinthians também corre o risco de enfrentar o São Paulo sem o zagueiro Gil, que sofreu uma pancada na panturrilha diante do Once Caldas e precisou ser substituído no intervalo por Edu Dracena. O zagueiro iniciou o tratamento na quarta-feira mesmo, no estádio Palogrande, em Manizales, e será reavaliado nesta sexta-feira, no CT do Parque Ecológico. "Vamos ver como os jogadores vão se recuperar. Não sei como está o Gil, por exemplo”, afirmou Tite.

O treinador, no entanto, disse confiar na força do elenco corintiano. "Tivemos dois jogos importantes com o Once Caldas e o clássico com o Palmeiras. Utilizamos quase 22 jogadores e conseguimos passar bem”, afirmou.

Colunas

Contraponto