Tite admite que último zagueiro para Copa será definido 'por fio de cabelo'

O técnico da Seleção Brasileira também citou o fato de escalar Fernandinho como 'articulador e construtor'

Comentar
Compartilhar
27 MAR 2018Por Estadão Conteúdo08h40
Contestado, Rodrigo Caio vem sendo convocado por TiteFoto: Pedro Martins/MoWa Press

O técnico Tite admitiu que ainda existem disputas por vagas dentro da seleção brasileira visando a Copa do Mundo e que alguns desses lugares vão ser definidos "por um fio de cabelo". Ele comentou a situação da equipe depois de realizar um treino fechado nesta segunda-feira, antes do jogo de terça contra a Alemanha em Berlim. A atividade foi a última que ele teve para observar seus jogadores, antes da convocação para o torneio na Rússia no início de maio. "Existem disputas dentro da equipe", admitiu o treinador. "Algumas são mais acirradas", disse.

Para ele, o que está "em aberto" é a zaga. "Thiago Silva, Miranda e Marquinhos poderiam entrar de olhos fechados", disse. "Mas um fio de cabelo vai definir", admitiu, em referência ao quarto zagueiro que vai ser convocado para a Copa do Mundo e possui opções como Pedro Geromel, Jemerson e Rodrigo Caio como opções. Para o jogo de terça-feira, ele colocará em campo a dupla formada por Thiago Silva e Miranda.

Tite também citou o fato de escalar Fernandinho como "articulador e construtor". "Mas ele vai competir com Paulinho, Casemiro e Coutinho", disse. O treinador vai usar o meio-campista do Manchester City em uma posição que lhe fará realizar funções ofensivas contra a Alemanha, na esperança de criar alternativas nesse momento. Outra função que passa por uma disputa é a exercida por Willian, Philippe Coutinho e Neymar. "Vai ser difícil", apontou.

A contusão do jogador do Paris Saint-Germain ainda obrigou Tite a acelerar uma adaptação de seu esquema, algo que ele estava planejando realizar apenas na fase final de preparação para a Copa do Mundo. "A realidade da seleção te existe reinventar e se adaptar e apressar decisões", admitiu.

Segundo ele, a ausência de Neymar ainda permitirá a ele usar a ocasião para ver Fernandinho como articulador e para a equipe "se consolidar". Tite espera sair de Berlim com mais do que um resultado, um "um desempenho de alto nível". "Queremos ter uma proposta de jogo, mostrar desempenho, contundentes e agressivos", prometeu. "Vencer é incerto. Mas desempenho da para controlar", disse.

O treinador admite que sua perna "continua tremendo", uma frase que o marcou na primeira coletiva ao assumir a seleção em 2016. "Mas mesmo tremendo eu dou passos para frente", disse.

Tite também se recusou a fazer qualquer tipo de críticas aos resultados da Copa do Mundo de 2014 e ao trabalho da equipe que estava sob o comando de Luiz Felipe Scolari. "São etapas", disse o treinador, pedindo "ética". "Cada um tem sua história. Aquele time de 2014 foi campeão em 2013 na Copa das Confederações. É injusto falar da Copa e não falar de 3 a 0 na final contra a Espanha", apontou.