Sheik sonha de novo, mas aponta novo herói alvinegro

“Infelizmente, não foi comigo. Mas eu tive o sonho”, contou o atacante corintiano.

Comentar
Compartilhar
11 DEZ 201217h35

Emerson jura que foi dormir “com a sensação de que faria o gol” na véspera da final da Copa Libertadores, contra o Boca Juniors, na qual foi decisivo. Com a espera pela estreia no Mundial enfim acabando, o atacante volta a testar seus poderes de previsão.

“Eu tive um sonho”, sorriu o Sheik, assim que lhe recordaram o vaticínio de julho. “Infelizmente, não foi comigo. Mas eu tive o sonho”, acrescentou, dando a entender que sua visão aponta para outro herói alvinegro, em Yokohama, na decisão de domingo.

O atacante preferiu não fazer promessas. Alçado à condição de ídolo histórico do Corinthians na Libertadores, ele garante apenas o empenho merecido pela Fiel, que mostrou seu amor no embarque da delegação e deve comparecer em ótimo número no Toyota Stadium.

"O que a gente quer é jogar melhor do que o adversário, dar um passo a mais, entrar na história. Isso a gente não promete com palavras, faz dentro de campo. É difícil prometer gol, vitória. Dá para prometer dedicação”, disse Emerson, enquanto uma seleção de pagodes saía de sua caixa de som e animava as entrevistas.

“O repertório é bom. O som dá um astral, a galera curte. Boto uns funks cariocas também”, comentou o camisa 11, pronto para morder dedos egípcios se isso for necessário para colocar o Timão na final.

Emerson prefere não prometer bola na rede no confronto com o Al Ahly ou na eventual decisão (Foto: AFP)