X
Esportes

Sem ter Borja 100%, Palmeiras volta a sofrer para achar camisa 9

As dores no joelho direito do colombiano devem perseguir o camisa 9 pelos próximos dias

Miguel Borja foi desfalque do Palmeiras na última segunda-feira (16), no empate por 1 a 1 com o Botafogo / Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Miguel Borja foi desfalque do Palmeiras na última segunda-feira (16), no empate por 1 a 1 com o Botafogo. Sem o seu artilheiro do Paulista, o time precisa apostar as fichas em Willian ou em Deyverson, mas ainda não conseguiu achar segurança nas duas alternativas.

O problema é que as dores no joelho direito do colombiano devem perseguir o camisa 9 pelos próximos dias.

A previsão é de tratamento intensivo e acompanhamento diário até a Copa do Mundo, com chance de ser poupado até em treinamento. Fazer uma sequência de jogos no ritmo de duas partidas por semana é improvável.

Por isso, Roger Machado precisa trabalhar as alternativas para o calendário cheio daqui até a pausa para a Copa, no meio do ano. Até lá, o time tem mais 14 jogos em dois meses.

O artilheiro do Paulista poderia até passar pela simples operação de artroscopia para resolver o problema adquirido em um trauma contra o Alianza Lima, mas não quis para poder representar seu país no Mundial.

Além disso, ainda fez questão de enfrentar o Corinthians e o Boca Juniors mesmo sem suas totais capacidades de jogo.

Contra o Botafogo, Bigode começou como titular e teve duas oportunidades. Em uma, foi bem com um cabeceio, mas viu Gatito ser ainda melhor em excelente defesa. Em outra, chegou atrasado na hora de finalizar.

O próprio jogador e a diretoria entendem que Willian atua melhor quando joga aberto. O problema é que ele vê Keno em alta na posição e com boas chances de assumir a titularidade de um dos lados do campo, com Dudu soberano do outro.

Deyverson é a outra opção que ainda não convenceu. Depois de deixar o departamento médico, ele voltou a ser relacionado por Roger e recebeu chances em todas as últimas partidas. Pouco fez e ainda correu o risco de ser expulso após agredir um adversário no empate por 1 a 1 com o Botafogo.

Ele sofre com a perseguição de torcedores desde a eliminação na Libertadores, quando se recusou a bater um pênalti. De lá para cá, teve mais maus do que bons momentos e ainda não justificou o pedido de Cuca pelo seu futebol. A transação custou quase R$ 20 milhões.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Saúde

Itanhaém abre agendamento para todas as crianças de 9 a 11 anos

As imunizações iniciam já neste sábado (22), no Posto Volante de Vacinação (Secretaria de Turismo), na Rua Aécio Menucci, 281, Centro

Polícia

Suspeito de participação no assassinato de policial militar de Praia Grande é preso

Uma equipe de Patrulhamento de Ações Especiais da PM recebeu a informação de que um carro da marca Volvo, flagrado na cena do crime, estava circulando por Santo André com destino a cidade de Ribeirão Pires

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software