Seduzido por Fiel, Pato chega ao Corinthians: “Nunca estive tão bem”

Conagiado pelo que presenciou no título da Libertadores do Corinthians, Alexandre Pato decidiu que atuaria pelo clube no futuro e esse dia chegou.

Comentar
Compartilhar
11 JAN 201315h06

Alexandre Pato esteve no estádio do Pacaembu em 4 de julho de 2012 e viu a festa da Fiel na conquista do Corinthians na Copa Libertadores da América. Naquele dia, o atacante decidiu que atuaria pelo clube no futuro. Contagiado pelo que presenciou no título histórico, o jogador deixou para trás cinco anos de Milan e um passado de lesões na apresentação oficial no Timão, nesta sexta-feira, no CT Joaquim Grava.

“Nunca estive tão bem como agora. Estou muito feliz por chegar ao Corinthians, sendo recebido por todos de braços abertos. Só quero jogar e ser feliz. Deu tudo 100% nos exames que fiz e só quero mostrar meu valor para todos os corintianos”, afirmou, diante de cerca de cem profissionais de imprensa que se abarrotaram na sala de entrevistas do clube.

Contratado por R$ 40 milhões pelo Alvinegro, Pato evitou declarações polêmicas em sua chegada ao clube e adotou o discurso do ‘corintiano, maloqueiro e sofredor’. Ao receber no fim da entrevista coletiva um boné e uma camisa da Gaviões da Fiel, o atacante sorriu e exclamou: “É nóis, mano”.

Ao receber no fim da entrevista coletiva um boné e uma camisa da Gaviões da Fiel, o atacante sorriu e exclamou: “É nóis, mano”. (Foto: Gazeta Press)

O atacante foi ao Pacaembu no dia da final da Libertadores por acaso, já que estava na capital paulista para receber no aeroporto de Guarulhos sua namorada, a italiana Barbara Berlusconi, filha do dono do Milan, Silvio Berlusconi. Em conversa com seu empresário (Gilmar Veloz), decidiu assistir ao duelo do Timão contra o Boca Juniors.

“Como ela chegaria na madrugada, eu quis ver uma final de Libertadores antes de ir ao aeroporto. Fui normal, peguei trânsito, pedi espaço para passar no meio da torcida... Foi emocionante, coloquei o casaco por cima da cabeça e só escutava: ‘É nóis, Corinthians’ ou ‘Aqui é Corinthians’”, recordou.

Na época, Pato ainda defendia a camisa do Milan, mas passou a nutrir admiração pela equipe liderada por Tite. De acordo com a diretoria do Timão, a vontade do atleta foi fundamental para que o negócio fosse concretizado, já que o Paris Saint-Germain teve uma proposta melhor recusada pelo Milan.

“Tudo começou naquele dia no Pacaembu. Quando apareceu a oportunidade de vir ao Corinthians, falei para meu empresário que seria a hora de voltar ao futebol brasileiro. Estou muito feliz, porque cheguei ao campeão do mundo e da Libertadores. Quero ajudar a ganhar mais títulos e dar alegria aos torcedores”, concluiu.