São Paulo tenta acabar com jejum de 17 anos contra o Corinthians

O Corinthians não perde um mata-mata para o rival desde 2000, é o atual campeão, vai decidir em casa e está invicto em clássicos no ano.

Comentar
Compartilhar
25 MAR 2018Por Folhapress09h25
Nenê, 36, cresceu de rendimento com a chegada de Diego Aguirre e ameaça em uma jogada que pode ser decisiva principalmente porque o Corinthians não terá Balbuena: as cobranças de falta e cruzamentos na área.Foto: Divulgação/Facebook/SPFC

Se números valem alguma coisa no futebol, o São Paulo é o principal azarão nas semifinais do Estadual. É o time com o maior jejum de títulos no torneio entre os grandes (12 anos). Perdeu os três clássicos em 2018. Não consegue se acertar tecnicamente e já trocou de técnico, com o uruguaio Diego Aguirre no lugar de Dorival Júnior.

O Corinthians não perde um mata-mata para o rival desde 2000, é o atual campeão, vai decidir em casa e está invicto em clássicos no ano. Mas números valem alguma coisa no primeiro jogo da semifinal entre as duas equipes, neste domingo (25), às 16 horas, no Morumbi?

"Clássico é 50% para cada. Sem favoritos", descartou Fabio Carille após a vitória por 2 a 0 sobre o Bragantino que classificou o Corinthians.

Uma resposta clássica antes do clássico.

Ninguém sequer ousa colar no São Paulo o rótulo de quarta força do Estado, algo que tanto incomodou o clube de Parque São Jorge no início do ano passado.

"Podemos conquistar esse título para a torcida do São Paulo. Estamos em momento confiante", afirma o zagueiro equatoriano Arboleda. Um bom resultado neste domingo pode mostrar isso em campo mais do que com palavras. Mesmo durante a vitória sobre o São Caetano, que garantiu a vaga na semifinal, o público no Morumbi mostrou descontentamento com o futebol mostrado.

O último jogo de mata-mata que o São Paulo ganhou do Corinthians foi na semifinal da Copa do Brasil de 2002. Venceu por 2 a 1, mas não foi o suficiente para conseguir a classificação, já que havia sido derrotado no primeiro confronto por 2 a 0.

Desde então, foram 11 jogos, com oito vitórias corintianas e três empates.

O Paulista de 2000 foi o último torneio que o São Paulo levou a melhor sobre o Corinthians em fases eliminatórias. Passou pelo rival deste domingo na semifinal, em junho daquele ano, e depois foi campeão sobre o Santos.

Números favoráveis ao adversário podem ser algo libertador para o São Paulo. Da mesma forma que foram para o Corinthians no ano passado. A cobrança existia sobre a equipe de Fabio Carille. Mas não da mesma forma que hoje em dia.

Por isso que ser chamado de "quarta força" talvez nem seja tão ruim assim. "Agora a cobrança é diferente, mas é algo natural depois do que conquistamos no ano passado. A gente tem de corresponder", afirma o goleiro Cássio, recuperado de dor no quadril.

Neste ano, o Corinthians está na Libertadores, torneio que é a maior prioridade do elenco. Para o São Paulo, o principal torneio em disputa por enquanto é o Paulista.

DESFALQUES

Carille já sabia que não poderia contar com Romero e Balbuena, convocados para a seleção paraguaia que enfrenta os Estados Unidos na terça-feira (27). O atacante provavelmente seria reserva, mas o zagueiro não apenas é titular como tem sido escolhido como capitão.

Mateus Vital, que agradou a Carille contra o Bragantino, será mantido na equipe. Paulo Roberto entra na zaga.

A principal preocupação para o treinador é a situação do meia-atacante Clayson. Ele sofreu pancada no joelho direito na última partida e deixou o Itaquerão mancando. Jadson, ainda com contusão na coxa, também pode ficar fora.

Carille tem confiança na escalação de Clayson, peça importante no esquema tático por causa das jogadas de velocidade pelas pontas. O jogador se consolidou no Corinthians no ano passado, ao fazer gol contra o São Paulo pelo Campeonato Brasileiro.

A aposta do clube do Morumbi é mais na experiência. Nenê, 36, cresceu de rendimento com a chegada de Diego Aguirre e ameaça em uma jogada que pode ser decisiva principalmente porque o Corinthians não terá Balbuena: as cobranças de falta e cruzamentos na área.

Foi em uma jogada dessas que Diego Souza, 32, fez o gol da classificação diante do São Caetano, nas quartas de final.

Com estiramento na coxa esquerda, Valdivia deverá ser desfalque no clássico. Lucas Fernandes será o substituto.

SÃO PAULO
Sidão; Militão, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei, Liziero (Petros), Nenê e Lucas Fernandes; Marcos Guilherme e Tréllez
T.: Diego Aguirre

CORINTHIANS
Cássio; Mantuan, Paulo Roberto, Henrique e Sidcley; Gabriel, Maycon; Mateus Vital, Rodriguinho e Clayson (Emerson Sheik); Júnior Dutra
T.: Fábio Carille

Estádio: Morumbi, em São Paulo
Horário: 16h
Árbitro: Raphael Claus