São Paulo mantém Dorival, mas faz cobrança por melhora

O Tricolor soma cinco vitórias, um empate e quatro derrotas no ano, sendo que no Campeonato Paulista soma apenas dez pontos

Comentar
Compartilhar
22 FEV 2018Por Folhapress17h38
Dorival Jr. segue no comando do São PauloDorival Jr. segue no comando do São PauloFoto: Divulgação/SPFC

A diretoria do São Paulo e o técnico Dorival Júnior se reuniram no início da tarde desta quinta-feira (22) para debater o momento atual do clube. Encontros do tipo são realizados sempre após as partidas do time tricolor e o desempenho ruim no revés por 2 a 1 para o Ituano no dia anterior foi, naturalmente, colocado em discussão. Os dirigentes externaram a insatisfação com o trabalho do treinador após dez jogos nesta temporada.

O São Paulo soma cinco vitórias, um empate e quatro derrotas no ano, sendo que no Campeonato Paulista soma apenas dez pontos e, mesmo liderando o grupo B, tem campanha pior que times que estão em terceiro em outras chaves. Além dos resultados ruins, admitidos por Dorival, as cobranças foram direcionadas à qualidade de jogo apresentada pela equipe até aqui. Nenhum movimento para uma troca de comando foi feito.

A atuação mais regular do time no ano foi na vitória por 2 a 0 contra o Mirassol, quando pouco sofreu defensivamente e conseguiu pressionar o adversário o tempo todo. No restante das partidas, o que se viu foi um time lento e pouco agressivo no ataque e com deslizes na defesa. Dorival, entretanto, acredita que a equipe está em evolução, já que mostra esse crescimento nos treinamentos.

O técnico nunca escondeu que preferia seguir apostando em um time mais jovem e que as contratações de Nenê e Tréllez não estavam em seus planos. Valdivia, por outro lado, foi solicitado pelo treinador, que havia pedido outras duas peças: Gabigol, que acabou voltando ao Santos, e Robinho, hoje no Sivasspor, da Turquia. O São Paulo, institucionalmente, rejeitou negociar com o jogador que foi para o futebol turco e que foi condenado por violência sexual pela justiça italiana.

A diretoria também sempre deixou claro que não dependeria apenas das vontades dos técnicos para montar o elenco e, assim, evitar heranças indesejáveis que supostamente foram deixadas por Rogério Ceni e Edgardo Bauza. Negam ainda que haja qualquer pressão para que esses reforços sejam escalados.

Dorival iniciou a pré-temporada prometendo apostar em jovens, como Shaylon, Lucas Fernandes e Brenner. Lucas cairia quando Christian Cueva entrasse em forma, mas os outros pareciam ter mais força para seguir no time titular. O caso mais sensível é o de Brenner, que treinou por dez dias como centroavante e só atuou assim no primeiro tempo contra o Novorizontino e em parte do segundo tempo contra o Madureira. Agora, a tendência é que o técnico retome o ideal de dar mais espaço aos garotos.