São Paulo bate Sport no Morumbi e fecha turno mais perto da ponta

A principal novidade no São Paulo foi a volta de Alexandre Pato. Encerrado o primeiro turno, a equipe treinada por Muricy Ramalho alcança a marca de 36 pontos

Comentar
Compartilhar
07 SET 201418h20

O São Paulo ampliou sua série invicta no Campeonato Brasileiro ao derrotar de forma convincente o Sport por 2 a 0, na tarde deste domingo, com gols de Rithely (contra) e Alexandre Pato. De quebra, o triunfo no Morumbi (o quinto nas últimas sete rodadas) diminuiu de nove para sete pontos a distância para a liderança, dado o empate do Cruzeiro.

Encerrado o primeiro turno, a equipe treinada por Muricy Ramalho alcança a marca de 36 pontos e pula, ao menos momentaneamente para a segunda colocação - o Internacional ainda joga. O Cruzeiro, que empatou com o Fluminense no mesmo horário, foi para 43 pontos. Já o Sport segue com 28 pontos.

A primeira partida das duas equipes pelo segundo turno será na quarta-feira. O time paulista jogará contra o Botafogo em Brasília, no Mané Garrincha, enquanto a equipe do técnico Eduardo Baptista receberá o Santos, na Arena Pernambuco, no Recife.

Neste domingo, a principal novidade no São Paulo foi a volta de Alexandre Pato. O atacante só não atuou no meio de semana pela Copa Sul-americana em virtude de virose gastrointestinal, mas se recuperou, voltou ao time e marcou o sétimo gol nos últimos nove jogos com a camisa tricolor. Mas o placar foi aberto pelos pés de Alan Kardec. Após trocar passes com Ganso, ele recebeu pelo lado direito da área, bateu cruzado e contou com desvio em Rithely para enganar o goleiro Magrão, ainda aos seis minutos do primeiro tempo.

O jogador Pato do São Paulo durante partida entre São Paulo x Sport, válida pelo Campeonato Brasileiro 2014, no Estádio do Morumbi em São Paulo, SP, neste domingos (7) (Foto: Rodrigo Gazzanel/Futura Press)

Apesar da vantagem quase que instantânea, Muricy precisou mexer no time aos 14 minutos, quando Paulo Miranda se machucou e deu lugar a Auro. No mesmo minuto, após cobrança de escanteio de Kaká pela direita, Pato dominou a bola com o peito e, sem deixá-la cair, emendou de perna esquerda no travessão.

Sem o segundo gol, o São Paulo por pouco não foi castigado dez minutos mais tarde. Acionado dentro da área, Neto Baiano teve o primeiro chute travado, mas ficou som a sobra e, na segunda tentativa, só não empatou porque Auro esticou a perna e desviou a trajetória da bola para a linha de fundo, ganhando aplausos do goleiro Rogério Ceni, que completava 24 anos de clube.

O garoto de 18 anos de idade (seis a menos do que o capitão tem de São Paulo) ainda participaria da jogada do segundo gol, no lance seguinte. Em rápido contragolpe iniciado por Kaká, Pato recebeu na ponta esquerda, fez o passe e correu para o meio da área. A bola ainda passou pelos pés de Auro e Souza antes de voltar ao atacante, que arrematou rasteiro e cruzado para Magrão ser vazado pela segunda vez no jogo.

Com a derrota parcial, o Sport tentou ao menos diminuir o prejuízo do primeiro tempo e se projetou ao ataque. As subidas desorganizadas, porém, proporcionaram nova oportunidade para o São Paulo no último minuto antes do intervalo. Mas Pato a desperdiçou, inacreditavelmente, de frente para a meta praticamente vazia, na linha da pequena área.

No segundo tempo, o ímpeto ofensivo do Sport demorou a surgir. Até lá, o São Paulo ainda construiu boas jogadas. Como aos 13 minutos, quando Kardec recebeu livre na entrada da área e isolou. Catorze minutos depois, Pato e Kaká também tiveram suas chances. O atacante cabeceou rente à trave direita, ao passo que o meia arriscou finalização de longa distância e obrigou Magrão a fazer uma difícil defesa no ângulo esquerdo.

Dominada, principalmente pela atuação quase impecável do volante Denilson, a equipe pernambucana se atirou para o campo ofensivo sem organização. Na melhor oportunidade, Neto Baiano ficou de frente para o gol e chutou para fora. Ele ainda apareceu na entrada da área mais uma vez, mas Ceni mostrou o porquê de ser ídolo do clube que defende há mais de uma década: deixou a meta para afastar de cabeça a última chance adversária na partida.