Santos racha, e vice ameaça se licenciar

A situação chegou a tal ponto que Rollo saiu de Santos nesta terça-feira (20) para não estar na cidade no momento da demissão do executivo de futebol Gustavo Vieira

Comentar
Compartilhar
22 FEV 2018Por Folhapress10h00
Menos de dois meses após tomarem posse no Santos, o presidente do clube, José Carlos Peres, e o vice, Orlando Rollo, não se entendemFoto: Ivan Storti/Santos FC

Menos de dois meses após tomarem posse no Santos, o presidente do clube, José Carlos Peres, e o vice, Orlando Rollo, não se entendem. A reportagem apurou com pessoas ligadas aos dois dirigentes que o vice-presidente ameaça até se licenciar do cargo.

A situação chegou a tal ponto que Rollo saiu de Santos nesta terça-feira (20) para não estar na cidade no momento da demissão do executivo de futebol Gustavo Vieira. Ele era contra a medida.

O licenciamento do vice-presidente abriria um buraco no grupo político que elegeu Peres no pleito realizado em dezembro do ano passado.

O presidente do conselho deliberativo, Marcelo Teixeira, tenta remediar a situação, mas, mesmo ele (presidente do clube entre 1992-1993 e 2000-2009), se espantou com o tamanho das diferenças entre os dois dirigentes.

A última aparição de Peres e Rollo juntos foi em uma foto postada nas redes sociais após a vitória por 1 a 0 sobre o São Paulo, no domingo (18), no estádio do Morumbi.

A amigos, Rollo se queixa de que o presidente não sabe que rumo dar à sua administração e que a cada hora pensa uma coisa. A indecisão teria custado ao Santos a chance de contratar Zelarayán, Nenê, Robinho e Paulo Henrique Ganso. Este último, voltou a interessar ao clube.

O grupo de Peres afirma que Rollo está descontente por ter ficado fora da administração do futebol masculino profissional. Acabou sendo encarregado do feminino e dos esportes olímpicos.

Procurado pela reportagem, Rollo não quis comentar.

Em nota de sua assessoria de imprensa, o presidente José Carlos Peres disse que "por ser democrática, a relação entre os integrantes da diretoria do clube contempla concordâncias e discordâncias. Há de ressaltar que todas as conversas são respeitosas e que, assim, inexiste qualquer problema de relacionamento nesse sentido".

No meio da disputa entre presidente e vice, está o técnico Jair Ventura, que não recebeu até agora os jogadores prometidos a ele quando aceitou deixar o Botafogo. A principal aquisição do Santos no ano foi a do atacante Gabriel, por empréstimo.

Em resposta a conselheiros que questionaram a demissão de Gustavo Vieira, Peres criticou o trabalho do executivo e afirmou que ele queria levar para o Santos o advogado Carlos Eduardo Ambiel, seu ex-sócio em um escritório de advocacia.

"Quando você tem um grupo político que entra, entre eles também passa a ter um certo assentamento, uma certa disputa de poder e isso gera no ambiente político, no ambiente de decisão, um certo distúrbio", afirmou Gustavo Vieira, em entrevista à ESPN Brasil.

ASSESSORES

Rollo está cada vez mais descontente com o poder de Daniel Bykoff, assessor de Peres. Reclama que ele tem interferido no futebol e minado planos de contratações.

Bykoff é colaborador de longa data do atual mandatário e foi diretor da ONG Santos Vivo, fundada por Peres em 2000 para fiscalizar o clube quando o presidente era Marcelo Teixeira.

Segundo amigos de Rollo, ele tem se incomodado por estar recebendo críticas pela situação administrativa do clube e pela falta de reforços do time. Afirmou que, por ter sido membro de torcidas organizadas, estar em todos os jogos do clube e ser atuante nas redes sociais, acaba sendo muito abordado por torcedores insatisfeitos.

Com menos de dois meses no cargo, o presidente se movimenta entre conselheiros para conseguir novos apoiadores. Tem conversado regularmente com José Renato Quaresma, que foi candidato a vice na chapa encabeçada por Andrés Rueda, atual integrante do Comitê de Gestão.

Quaresma afirmou a Peres que aceita colaborar. Ele é cotado para ter um cargo ligado ao futebol profissional que, após a saída de Vieira, é coordenado por William Machado. Deivid, ex-atacante do clube, é outro nome cogitado.

A chapa Peres-Rollo, que encerrou a gestão de Modesto Roma Júnior (2015 a 2017), se formou com a união de dois grupos distintos.

Peres começou a construir sua base a partir da criação da ONG Santos Vivo e teve na eleição a realização do seu projeto. Rollo é o líder da Terceira Via e foi adversário de Peres no pleito de 2015. Antes, foi um dos fundadores da Torcida Jovem em Santos.