Santos pode se livrar de salário alto, mas deve receber dois ‘pepinos’

Desde que Modesto Roma Jr assumiu a presidência, em janeiro, diminuir o prejuízo com a folha salarial do elenco se tornou uma das principais metas

Comentar
Compartilhar
31 MAR 201515h16

A diretoria do Santos segue enxugando os gastos do clube devido ao momento financeiro delicado. E, desde que Modesto Roma Jr assumiu a presidência, em janeiro, diminuir o prejuízo com a folha salarial do elenco se tornou uma das principais metas. Dentro deste plano, saíram, por empréstimo, venda ou liberação, Edu Dracena, Arouca, Leandro Damião, Mena e Aranha. Todos recebiam salários acima dos R$ 200 mil mensais.

Agora, o objetivo da diretoria alvinegra é ‘se livrar’ de Thiago Ribeiro. Longe de ser uma unanimidade entre os torcedores e atualmente visto como quinta opção do ataque santista, o jogador recebe um valor próximo a R$ 300 mil por mês.

E o destino já está praticamente acertado. O Atlético-MG quer Thiago Ribeiro e já se acertou com o atleta. A negociação, porém, envolve dois jogadores do atual elenco do time mineiro. Giovanni Augusto e Emerson.

O presidente Modesto Roma Jr pretende enxugar a folha salarial do Alvinegro Praiano (Foto: Divulgação/SFC)

Prensando na economia, o alvinegro praiano já deu sinal verde para que o acordo seja selado. E, se assim acontecer, a comissão técnica santista terá a dura missão de recuperar dois atletas em má fase e longe de um desempenho satisfatório nos últimos anos.

Giovanni Augusto é meia e foi revelado na própria Cidade do Galo. Mas, após repetidos casos de indisciplina fora de campo, o jovem promissor passou a ser emprestado seguidamente. Giovanni atuou por Grêmio Barueri, Náutico, ABC, Criciúma e Figueirense, até voltar para Minas, onde continuou sem espaço na equipe e ainda passou dois meses no departamento médico.

Enquanto isso, o zagueiro Emerson não atua desde fevereiro de 2014. Quinta opção para a zaga do Atlético-MG, o jogador perdeu praticamente toda a temporada passada em função de uma lesão séria no tornozelo direito.

Aos 31 anos, o defensor, que se destacou no Coritiba, foi relacionado para o banco em uma única oportunidade neste ano.

Nestas condições, o negócio só não foi fechado ainda porque Giovanni Augusto move uma ação contra o Atlético-MG. A situação deve se resolver ainda esta semana e, após isso, os clubes anunciarão as trocas oficialmente.