Santos está satisfeito com Gabigol de centroavante, mas Jair pede um 9

O único jogador com essas características no elenco, o centroavante Rodrigão, não foi relacionado por 'opção técnica'

Comentar
Compartilhar
08 MAR 2018Por Folhapress20h18
Apesar da boa fase de Gabigol, Jair Ventura ainda quer um 'camisa 9'Apesar da boa fase de Gabigol, Jair Ventura ainda quer um 'camisa 9'Foto: Divulgação/Santos FC

O técnico Jair Ventura admitiu que ainda aguarda pela contratação de um típico camisa 9 no Santos. A declaração foi dada após a derrota por 2 a 1 para o Novorizontino, nesta quarta-feira (7), no interior paulista, em jogo válido pela 11ª rodada do Campeonato Paulista.

Apesar da aprovação da diretoria do clube com o desempenho de Gabriel Barbosa na função, poupado do confronto, o comandante santista alegou ter sentido falta de um jogador com essas características para superar as dificuldades do campo afetado pelas fortes chuvas.

O problema é que a diretoria recuou na contratação de um 9 após ver Gabigol marcar quatro gols em quatro jogos consecutivos: Ferroviária, São Caetano, São Paulo e Santo André. Ele passou em branco no quinto jogo, contra o Real Garcilaso, do Peru, pela Copa Libertadores da América.

"Esse jogo pede jogadores fortes, de área, e esse tipo de jogador ainda não temos, com essa característica. Temos o Rodrigão, mas não temos mais [opções]. É importante [ter um camisa 9] para jogos pesados, principalmente na Libertadores", disse Jair.

"Enfrentei o Nacional, do Uruguai [pelo Botafogo, na última Libertadores], é um jogo muito pesado. Contra o Estudiantes, na Argentina, vai ser um jogo muito pesado. Jogando em casa vamos conseguir, mas em um jogo de chuva, com primeira e segunda bola, vamos ter dificuldades, então precisamos achar alternativas no elenco e no mercado para que não venhamos a sofrer", completou.

Curiosamente, o único jogador com essas características no elenco, o centroavante Rodrigão, não foi relacionado por "opção técnica", de acordo com a assessoria do clube.

O camisa 13 iniciou o ano como titular, marcando um dos gols da vitória por 3 a 0 diante do Linense, em Lins, mas caiu em esquecimento com Jair após desempenho pouco convincente nas partidas seguintes.

Para o confronto, Jair optou por um "ataque leve" formado por Rodrygo, Arthur Gomes e Yuri Alberto, todos vindos da base santista. Os dois primeiros tiveram atuações apagadas, enquanto o último marcou o único gol santista no confronto.

Gabigol também esteve ausente no último domingo, no empate por 1 a 1 no clássico contra o Corinthians, no Pacaembu. O jogador, no entanto, caiu tão bem com a camisa santista novamente que a diretoria santista desistiu de buscar um centroavante no mercado do bola.

Antes dele emplacar quatro gols em quatro jogos no Paulistão, os cartolas santistas priorizavam a chegada de um camisa 9 autêntico para substituir Ricardo Oliveira, que se transferiu para o Atlético-MG.

A cúpula alvinegra abriu negociações com Barcos e Tréllez, mas não obteve êxito. Rafael Marques, do Cruzeiro, foi oferecido e recusado, além de André, que foi consultado, mas não avançou por ser considerado um jogador muito caro para o clube no momento.

Sem o centroavante buscado no mercado, o técnico Jair Ventura foi obrigado a escalar Gabigol como centroavante. E deu muito certo. O camisa 10 está livre em campo, sem muita responsabilidade na marcação, e tem feito jus ao apelido: são quatro gols em cinco jogos.