Santos diz investigar ofensa racista relatada por atleta do Ceará

Thiago Galhardo relatou, em entrevista ao canal Esporte Interativo, ofensas vindas de torcedores próximos ao banco de reservas do Ceará

Comentar
Compartilhar
18 OUT 2019Por Folhapress15h15
De acordo com Galhardo, houve também insultos xenofóbicos aos atletas da equipe nordestinaFoto: Stephan Eilert/cearasc.com

O Santos publicou comunicado oficial nesta sexta-feira (18) afirmando que irá investigar as ofensas racistas e xenofóbicas por parte de torcedores santistas relatadas pelo meia Thiago Galhardo, do Ceará, ao final do confronto entre ambas equipes na Vila Belmiro na noite anterior.

"Qualquer ato de preconceito e xenofobia é absolutamente repugnante e inaceitável. Diante dos relatos passados por alguns veículos de comunicação, o Clube está investigando e irá tomar as providências cabíveis frente a quaisquer casos dessa natureza", disse o Santos, em nota.

Já o Ceará havia informado que levaria a questão a seu departamento jurídico.

Na quinta-feira (17), ao deixar o gramado, derrotado por 2 a 1, Galhardo relatou, em entrevista ao canal Esporte Interativo, ofensas vindas de torcedores próximos ao banco de reservas do Ceará, algumas delas direcionadas ao volante Fabinho, que é negro.

"Eles [torcedores] vêm ver o espetáculo, um espetáculo bonito, parabéns pela vitória do Santos, mas o cara querer menosprezar o Fabinho, menosprezar a mim, fazer ato [de] racismo para ele, chamar de 'negão', de vagabundo... O futebol perde sua essência", disse o jogador, que indicou ainda ofensas xenofóbicas.

"Acho que não pode ter isso aí: o cara beber e ficar ali, ao meu ver, embriagado, xingando a gente. Acho que ele tinha que estudar um pouco mais, conhecer um pouco mais da geografia do Brasil. Falar que o Ceará joga no Norte... Ou eu que não entendo muito, acho que estudei de sacanagem."

O ocorrido não foi relatado pelo árbitro principal da partida, Rafael Traci, de Santa Catarina, na súmula.