Santos descarta técnicos estrangeiros e define Serginho Chulapa como interino

O presidente José Carlos Peres e o diretor executivo Ricardo Gomes priorizam um treinador que se adapte ao DNA ofensivo do clube

Comentar
Compartilhar
23 JUL 2018Por Folhapress20h00
José Carlos Peres e Ricardo Gomes concederam entrevista coletiva na tarde desta segunda-feiraJosé Carlos Peres e Ricardo Gomes concederam entrevista coletiva na tarde desta segunda-feiraFoto: Divulgação/Santos FC

O presidente José Carlos Peres e o diretor executivo de futebol do Santos, Ricardo Gomes, concederam entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira para explicar a demissão do técnico Jair Ventura. Os dirigentes confirmaram que o clube paulista já trabalha com dois nomes para o lugar de Jair e descartaram a contratação de um técnico estrangeiro.

"Tem alguns nomes, é verdade que tem uma tendência de treinadores estrangeiros. Tenho dois nomes, mas claro que não vou citar. São dois brasileiros. Você citou vários que podem assumir qualquer time no mundo, o que vale a pena é encontrar um treinador com identidade, que responda aos anseios da torcida do Santos e que fique por muito tempo", afirmou Ricardo Gomes.

"Nós temos vários treinadores bons. Se fosse o início de uma temporada, poderia ser uma boa pedida um treinador estrangeiro. Mas no meio da competição, não. Os dois nomes que tenho são brasileiros", disse Peres sobre técnicos estrangeiros.

O auxiliar técnico fixo do clube, Serginho Chulapa, comandará o time no duelo contra o Flamengo nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), na Vila Belmiro, válido pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro.
José Carlos Peres e Ricardo Gomes priorizam um treinador que se adapte ao DNA ofensivo do clube. A dupla alega que o novo treinador não precisa ser experiente, mas que tenha um perfil vencedor.

"É um cara que cumpra e corresponda através de resultados. Essa leitura precisa ser, infelizmente, jogo após jogo", disse Ricardo Gomes, que prioriza apenas um técnico que adote o futebol ofensivo.

"O futebol é de resultados. Precisamos encontrar um treinador com as características que a torcida pede, precisaremos de resultados no dia a dia. Uma gestão não é só a parte tática, tem muita coisa: vestiário, comportamento diário, muitas coisas que envolvem o novo prazo. Claro e evidente que o principal é o resultado. Encontrar um nome que preencha todos os requisitos. Daqui a dois meses não quero explicar o inexplicável. Poucos treinadores passaram por aqui nos últimos anos. Eu como adversário do Santos me lembro disso. Se eu falar que um treinador tem contrato de um ano e meio e depois só tem uma vitória, vou explicar o inexplicável. Acho que nesses dois nomes tenho boa possibilidade de sucesso", completou.