Ronaldinho exalta 'motivação fora do normal' no Mundial

O craque lembrou que esse "é o único título que falta" para a sua carreira e que o troféu da competição daria aos atleticanos uma glória inédita

Comentar
Compartilhar
17 DEZ 201315h33

Pentacampeão do mundo pela seleção brasileira em 2002, vencedor da Liga dos Campeões pelo Barcelona em 2006 e depois da Copa Libertadores pelo Atlético-MG em 2013, Ronaldinho Gaúcho exaltou nesta terça-feira, durante entrevista coletiva em Marrakesh, a importância que a possível conquista do Mundial de Clubes da Fifa teria para ele e para o clube brasileiro, cuja estreia na competição será nesta quarta, contra o Raja Casablanca, às 17h30 (horário de Brasília).

O craque lembrou que esse "é o único título que falta" para a sua carreira e que o troféu da competição daria aos atleticanos uma glória inédita, assim como colocaria o time em outro patamar no cenário internacional. "A motivação é de conquistar esse título, de poder levar o nome do Atlético ao lugar mais alto do futebol. A motivação é fora do normal e estamos muito preparados para este jogo", ressaltou.

Em seguida, o astro afirmou que vem conquistando grandes objetivos pelo Atlético, que nesta temporada ganhou uma inédita Libertadores, mas ele mostrou que ainda não está totalmente satisfeito e quer mais uma taça de expressão em 2013. "Meu sonho era fazer história no clube, e agora veio essa possibilidade de levar o nome do Atlético mais longe ainda, e a motivação é essa. E estar mais motivado é impossível", destacou, para mais tarde avisar: "Desde que cheguei ao Atlético eu vivi um ano e meio maravilhoso, mas agora quero fechar com chave de ouro".

Ronaldinho Gaúcho exaltou a importância que a possível conquista do Mundial de Clubes da Fifa teria para ele (Foto: Cristiane Mattos)

Já ao ser questionado sobre como é voltar a disputar o Mundial de Clubes, depois de ter caído junto com o Barcelona diante do Internacional na final de 2006, Ronaldinho disse que "a vontade é tão grande como da outra vez (de ser campeão), mas agora é diferente porque é a primeira vez que o Atlético está jogando a competição".

O craque ainda disse que aquela derrota de 2006 serve como "motivação para voltar para casa com o título". "A tristeza é grande toda vez que não se conquista um título importante", admitiu, pouco depois de ter enfatizado o peso que essa possível conquista teria para os jogadores atleticanos. "São jogadores que querem entrar para história do clube. Da última vez que joguei o Mundial, também queria muito o título, e quero entrar para a história do Atlético."