Rogério Caboclo é afastado da presidência da CBF

Em decisão tomada pelo conselho de ética da entidade, dirigente foi retirado da presidência por 30 dias

Comentar
Compartilhar
06 JUN 2021Por Folhapress18h48
Caboclo terá esse tempo para se defender da acusação de assédio moral e sexual feito por uma cerimonialista da entidade.Caboclo terá esse tempo para se defender da acusação de assédio moral e sexual feito por uma cerimonialista da entidade.Foto: LUCAS FIGUEIREDO/CBF

Rogério Caboclo não atendeu aos pedidos para se afastar e resistiu até o fim. Mas neste domingo (6), ele foi retirado da presidência da CBF por 30 dias. A decisão foi tomada pelo conselho de ética da entidade.

Ele terá esse tempo para se defender da acusação de assédio moral e sexual feito por uma cerimonialista da entidade.

Antônio Carlos Nunes de Lima, o coronel Nunes, assume a presidência por ser o vice mais velho (82 anos). Ele ocupou o cargo entre fevereiro de 2017 e abril de 2019, no período entre o banimento de Marco Polo Del Nero e a posse de Caboclo, eleito para ficar até 2023.

A decisão ocorre após quase uma semana de tentativas e pedidos de diretores da confederação e presidentes de federações estaduais para que Caboclo se afastasse.

Como último argumento para convencê-lo lhe foi sugerido atender ao conselho do diretor de governança, André Megale, de se licenciar por tempo determinado. Talvez, seis meses, para se defender das acusações de assédio sexual e moral feitos por uma cerimonialista da confederação.

Os argumentos apresentados a Caboclo, segundo soube a reportagem, era que a saída dele, mesmo que temporária, abafaria todos os problemas.

Faria sair do noticiário a denúncia de assédio, aplacaria o descontentamento dos jogadores da seleção e de Tite, garantiria a realização da Copa América sem sobressaltos e atenderia ao desejo manifestado por presidentes de outras confederações nacionais, da Conmebol e até de representantes da Fifa: tirá-lo da organização do torneio.

O cartola continuou a negar essa possibilidade. A pelo menos um presidente de federação do Nordeste disse que se sair, a chance de não voltar é grande.

Um problema para Caboclo se tornou o isolamento. A não por alguns presidentes de federações estaduais do Nordeste, ele não contava mais com apoios políticos. Mais importante do que isso, seus diretores na CBF, quase todos os que o aconselharam a se afastar, já estavam cansados da instabilidade e das variações de humor do dirigente que, em dias ruins, os tratava mal. Às vezes, aos palavrões.

O vácuo no poder da confederação será discutido nesta segunda-feira (7), para quando foi convocada uma reunião extraordinária dos oito vices da entidade. Dois deles disseram à reportagem que quase todos estarão presentes. Há dúvida a respeito da presença de Fernando Sarney, que está em quarentena por causa da Covid-19.

Alguns vices da CBF já foram sondados sobre a possibilidade de assumir o lugar do atual presidente na organização da Copa América. Por ter sido decidido às pressas que a sede seria o Brasil, não houve tempo para montar um comitê organizador. Tudo tem sido resolvido por Caboclo. Mas a polêmica de abrigar o torneio faz com que os demais cartolas tenham mostrado resistência em herdar a atribuição.

Segundo pessoas ouvidas pela reportagem, o receio de Caboclo era que, sem o poder da presidência da CBF, ele voltasse ao ostracismo. O hoje homem mais poderoso do futebol brasileiro nunca foi uma liderança nem mesmo no seu clube do coração, o São Paulo. Subiu na Federação Paulista de Futebol e depois na CBF sob as bênçãos de Marco Polo Del Nero, banido do futebol pela Fifa, mas ainda consultado por Caboclo quanto à decisões da entidade, como mostraram áudios obtidos pela ESPN.

Na luta pela sua sobrevivência política, Caboclo manteve contatos constantes com dirigentes estaduais. No governo federal, ele encontrou o interlocutor que procurava, onde foi incentivado a resistir no cargo e até ouviu sugestões de demitir Tite do comando da seleção brasileira. Era uma possibilidade que alarmava a cartolagem, pela certeza de que os jogadores se recusariam a disputar a Copa América e poderia causar um dano à imagem não apenas da competição, mas da CBF.

Argentina anuncia que não ficará hospedada no Brasil para a Copa América

Uma das participantes e eventuais favoritas ao título da Copa América, a seleção da Argentina não ficará hospedada no Brasil para a realização do torneio. A Associação do Futebol Argentino (AFA, na sigla em espanhol) anunciou neste domingo que a delegação ficará concentrada na cidade de Ezeiza, na província de Buenos Aires.

A entidade confirmou que a equipe nacional recebeu autorização e que ficará hospedada em uma de suas bases no país. Segundo as regras que deverão ser cumpridas até o fim da competição, Lionel Messi e cia. deverão chegar ao Brasil, obrigatoriamente, 24 horas antes de seus compromissos pelo torneio continental. A decisão cabe a cada país participante da competição: querer fazer o mesmo que a Argentina ou ficar no Brasil desde o primeiro jogo até o final.

A Copa América tem sido bastante criticada, tanto mundialmente como no próprio País, devido à pandemia de covid-19. Nos Estados Unidos, o jornal The New York Times fez um amplo estudo sobre os perigos e irresponsabilidades de se hospedar o torneio em território brasileiro. No Brasil, manifestações tomaram conta de Brasília e até o senador Renan Calheiros, relator da CPI da covid-19, fez um apelo para que os jogadores não entrem em campo A Copa América tem início previsto para o dia 13 deste mês.

A Argentina está no Grupo B, ao lado de Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai. Ao lado da Colômbia, o país vizinho rejeitou a receber a Copa América, até que então o Brasil aceitou a proposta para sediar o torneio. A equipe celeste estreia no Engenhão, dia 14, diante do time chileno. (com Estadão Conteúdo)