Robinho prefere Ricardo Oliveira e chega confiante para o clássico

Poupado no último domingo, o camisa 7 está motivado e esperançoso em uma grande partida do Peixe nesta quarta, as 22 horas, na Vila Belmiro

Comentar
Compartilhar
10 FEV 201519h44

Na véspera do clássico contra o São Paulo, Robinho apareceu na sala de imprensa do CT Rei Pelé com toda confiança e irreverência que lhe é peculiar. Poupado no último domingo, o camisa 7 está motivado e esperançoso em uma grande partida do Peixe nesta quarta, as 22 horas, na Vila Belmiro.

“Desconfiança pode partir de outras pessoas. Nós, jogadores, sabemos que temos totais condições de sermos campeões paulista. Uma vitória em clássico sempre motiva e esperamos vencer amanhã”, avisou o jogador, que até para dar entrevista não desgrudou da bola. “Eu gosto de ficar com a bola. Essa é minha companheira”, brincou.

Questionado sobre a formação tática do time para o duelo válido pela 4ª rodada do Campeonato Paulista, o Rei das Pedaladas não negou que a entrada de Ricardo Oliveira na vaga de Thiago Ribeiro favorece seu desempenho.

Robinho declarou que prefere Ricardo Oliveira ao seu lado no ataque (Foto: Matheus Tagé/DL)

“Sou mais habituado a jogar pelos lados, fica mais fácil com o Ricardo Oliveira. Já joguei com ele várias vezes, não vamos ter dificuldade. Mas isso não me impede de jogar como falso 9. Onde ele (técnico) me colocar eu vou atuar”, explicou.

Apesar do retrospecto favorável de Robinho contra o rival Tricolor (São 9 vitória, 4 derrotas e 1 empate), o atacante prega respeito ao adversário, sem deixar de enaltecer a força do Peixe.

“São Paulo tem um grande elenco. Michel Bastos, Pato, Luis Fabiano. Nosso time está preparado para fazer um grande clássico. Temos jogadores de nível de seleção aqui também, estamos confiantes de fazer um grande jogo”, garantiu, lembrando que vai enfrentar Paulo Henrique Ganso, amigo e ex-companheiro no alvinegro praiano. “Ganso é grande jogador, de seleção, desejo tudo de melhor. Quero ver ele brilhando na seleção, mas amanhã quero ele bem devagar”, comentou, sempre em tom descontraído.

Colunas

Contraponto