Robinho admite brincadeiras, mas pede desculpas e procura ‘x-9’

"Não comemoramos. Temos um respeito muito grande, tínhamos uma ótima relação. A gente tem um grupo (no whatsapp) e estávamos brincando", disse o atacante

Comentar
Compartilhar
06 MAR 201512h46

Depois de um dia recheado de situações atípicas, os acontecimentos inesperados no CT Rei Pelé continuaram nesta sexta-feira. Depois do treino comandado por Marcelo Fernandes, Robinho, Elano, Ricardo Oliveira e David Braz, os líderes do elenco santista, resolveram ir à sala de imprensa dar explicações sobre as notícias de que os alguns jogadores comemoraram a saída de Enderson Moreira do comando técnico da equipe em um grupo de conversas do elenco, na rede social whatsapp.

"O Enderson não é mais o comandante e eu, como capitão e os demais capitães aqui, queremos esclarecer o que não é verdadeiro. Não comemoramos. Temos um respeito muito grande, tínhamos uma ótima relação. A gente tem um grupo (no whatsapp) e estávamos brincando", disse o atacante, ao mesmo tempo, confirmando o que foi veiculado.

Os quatro experientes atletas do Peixe ainda tentaram descobrir quem foram os jogadores que repassaram partes da conversa entre o grupo a alguns jornalistas. Porém, não tiveram êxito.

"A gente respeita o trabalho dos jornalistas, mas não é isso. Pedimos desculpas para o Enderson, ninguém comemorou. Se tivesse que pedir a cabeça, faríamos isso. A gente foi pego de surpresa, mas é decisão do Enderson com a diretoria. E para os juvenis que mandaram mensagem (aos jornalistas), esperamos que não aconteça mais", avisou Robinho, antes de encerrar seu discurso, sem responder questionamentos.

"Boa sorte para o Enderson na nova caminhada. Agradecemos e pedimos desculpa se alguém se comportou mal", finalizou.

Robinho deu explicações sobre as notícias de que os alguns jogadores comemoraram a saída de Enderson Moreira (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Enderson fala

Em entrevista ao Sportv, o técnico Enderson Moreira disse que recebeu mensagens de alguns jogadores e não acredita que o grupo tenha comemorado sua saída.

"Isso é fora de propósito. Eu imediatamente após a saída do Santos, recebi uma mensagem muito carinhosa do Robinho, outros jogadores ligaram, mandaram mensagens, funcionários, comissão técnica... Não vejo nenhuma veracidade. É só ver o último jogo, contra o Linense, para todos verem como era o ambiente do Santos. Estou muito tranquilo em relação a isso, são maldades, inverdades. Isto pode estar sendo colocado para tentar justificar (a demissão dele)" disse o ex-treinador do alvinegro praiano.

Ao comentar o fato de ter vivido uma relação pouco harmoniosa com o grupo de jogadores e sua relutância em escalar alguns jogadores revelados pela base do clube para optar por atletas mais rodados e recém chegados ao time, Enderson foi contundente.

"Eu não aceito de forma nenhum comentário, insinuação, em relação a escalação. Eu sempre prezei pelo meu trabalho, pela minha honestidade. Sempre fazemos o que é o melhor para a equipe. Trabalho e defendo minhas convicções. A escalação é de minha total responsabilidade, não aceito dividir com outra pessoa, porque a pressão vem em cima do treinador. Agradeço ao torcedor do Santos e tentei fazer o meu máximo" afirmou Enderson.