Quarteto respalda os jovens na situação mais delicada do Palmeiras

Experientes, jogadores se colocam na linha de frente e tentam usar a experiência a favor do time.

Comentar
Compartilhar
10 NOV 201213h56

Neste que é um dos piores momentos dos últimos dez anos do Palmeiras, jogadores que fazem parte desta triste página da história alviverde se comportam de formas distintas. Alguns ficam com medo e inseguros e outros se colocam na linha de frente e tentam usar a experiência para achar a luz no fim do túnel. E quatro jogadores tem demonstrado tal atitude nos últimos dias: Bruno, Henrique, Marcos Assunção e Barcos.

Junto, o quarteto forma o esqueleto da equipe do técnico Gilson Kleina dentro e fora de campo. Bruno aparece pela boa relação que tem com todo o grupo e por seus anos de casa - está no clube há 15 anos, sendo oito deles no time principal e neste período saiu por seis meses por empréstimo para a Portuguesa.
 
Henrique, Marcos Assunção e Barcos atacam de auxiliares do treinador durante os jogos. Fora de campo, são os que mais conversam com os atletas e por terem o respaldo da torcida - são os únicos atletas que não são criticados pelos torcedores - conseguem ter maior tranquilidade.
 
Nos últimos dias, o trio tem auxiliado bastante os mais jovens e aqueles que estão com maior receio de alguma atitude violenta da torcida. Ter esses jogadores no elenco é uma válvula de escape de Gilson Kleina. "É importante contar com jogadores nesse nível e que podem ajudar também fora de campo. Eles são inteligentes e fundamentais para o bom trabalho no dia a dia".
 
Marcos Assunção é o principal líder no elenco do Palmeiras (Foto: André Costa-Costapress)
 
Barcos valorizado
 
A renovação de contrato e o prometido aumento de salário para Barcos ficaria para o ano que vem, mas temerosa com o interesse de clubes europeus e uma possível queda para a Série B, a diretoria decidiu chamá-lo para conversar e renovar o quanto antes o vínculo.
 
O contrato atual se encerra no fim de 2015, mas o clube tenta prorrogar o vínculo até 2016 ou 2017 e com isso fazer o valor da multa subir de 15 milhões (R$ 38,9 milhões) para 20 milhões de euros (R$ 51,9 milhões).
 
Barcos se irrita com imprensa argentina
 
O atacante Barcos está irritado com a repercussão de suas recentes declarações na imprensa da Argentina. O jogador desaprovou notícias dos principais jornais, que publicaram que ele estaria se sentindo inseguro com ameaças e possíveis atitudes violentas dos torcedores e que por isso poderia deixar o Palmeiras no final deste ano.
 
"Saíram umas notas de que eu estava sendo ameaçado, que queria ir embora do Brasil, e isso não é bem assim. Eu disse que, caso sentisse medo (de violência), aí sim pensaria em sair do Brasil. 'Olé', 'Clarín', etc. (jornais argentinos) não tem que colocar em seus textos palavras que eu não digo porque minha família e meus amigos ficam preocupados. Perguntem antes. Obrigado", escreveu o jogador em seu perfil no Twitter.