Presidente da CBF diz que vice não falou em nome da entidade ao sugerir dispensa de Neymar

Rogério Caboclo disse que a declaração do vice-presidente sobre a situação de Neymar é pessoal

Comentar
Compartilhar
05 JUN 2019Por Folhapress12h02
Caboclo ainda se disse "seguro" sobre a presença de Neymar na Copa AméricaFoto: Lucas Figueiredo/CBF

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, disse que a declaração do vice-presidente Francisco Noveletto sobre a situação de Neymar é pessoal e não traduz a posição da entidade.

Na última terça-feira, em entrevista concedida ao SBT do Rio Grande do Sul, Noveletto disse que Neymar não tinha condições psicológicas para enfrentar uma Copa América por causa da acusação de estupro e apostava que ele pediria licença.

Mas Caboclo disse que essa não é a posição da CBF. "Eu creio que ele deve ter falado de acordo com a consciência e fatos que ele conhece, não pela CBF", disse em declaração após a reeleição de Gianni Infantino na Fifa, nesta quarta-feira, em Paris.

Caboclo ainda se disse "seguro" sobre a presença de Neymar na Copa América e disse não ter "nenhuma preocupação" em relação a um segundo vídeo citado por Noveletto na entrevista.

Na entrevista concedida ao SBT-RS, o vice-presidente afirmou que seria melhor para todos que o atleta pedisse dispensa e que a atitude jamais vai partir da entidade ou de Tite.

"Se o Neymar vier, é capaz de o Brasil não chegar. Eu conheço a imprensa. A imprensa vai pegar no pé. E tem muito mais coisa para aparecer. Amigo meu do Rio de Janeiro disse que tem mais um vídeo para ser jogado na rua. Se eu sou o Neymar... Veja, se eu tivesse que apostar, se eu tenho 10 fichas e me perguntassem no que eu apostaria: aposta se vem ou se ele vai pedir licença? Aposto que ele não virá e que ele pedirá licença. Ele não tem condições psicológicas para enfrentar uma Copa América e um batalhão de jornalistas", afirmou Noveletto.

"Seria um negócio bom para todos, para ele, CBF e para o espetáculo. Ele não vai render. Ele já deixou a desejar na Copa do Mundo. Imagina essa carga emocional? Acaba ganhando todo mundo se ele não vier jogar", completou.

Colunas

Contraponto