Prejudicado pela arbitragem, Brasil perde para o Peru e é eliminado

O confronto terminou 1 a 0 para os peruanos, classificados às quartas de final do torneio após somarem sete pontos, três a mais que os brasileiros

Comentar
Compartilhar
13 JUN 2016Por Gazeta Press00h45
Juiz uruguaio validou gol de mão do Peru, que eliminou o Brasil da Copa AméricaJuiz uruguaio validou gol de mão do Peru, que eliminou o Brasil da Copa AméricaFoto: Lucas Figueiredo / MoWA Press

O Brasil está eliminado da Copa América Centenário. Na partida mais polêmica até o momento da competição, a Seleção Brasileira foi prejudicada pela arbitragem do uruguaio Andres Cunha, que validou o gol de mão do Peru aos 30 minutos do segundo tempo, em duelo realizado na noite deste sábado, em Boston, nos Estados Unidos.

Além deste erro, o juiz deixou de dar um pênalti para o Peru no começo da etapa final. Os brasileiros também reclamaram muito de pelo menos três penalidades, mas todas duvidosas.

No fim, o confronto terminou 1 a 0 para os peruanos, classificados às quartas de final do torneio após somarem sete pontos, três a mais que os brasileiros. A equipe do técnico argentino Ricardo Gareca enfrentará a Colômbia na próxima fase. O outro classificado do Grupo B é o Equador, que mais cedo goleou o Haiti por 4 a 0, em Seattle, garantiu um lugar entre os oito melhores da competição com cinco pontos e fará duelo com os Estados Unidos na briga por uma vaga nas semis.

Esta é a primeira vez que o time canarinho não alcança a fase de mata-mata da Copa América desde 1987, quando o torneio foi disputado na Argentina.

Buscando novas alternativas na questionada Seleção, o técnico Dunga colocou Lucas Lima e Gabriel entre os titulares nos lugares de Casemiro e Jonas, respectivamente. Gareca, por sua vez, mandou a campo uma formação com três zagueiros.

O Brasil até dominou o primeiro tempo e teve chances de abrir o placar, mas parou nas mãos do goleiro Gallese e na incompetência na hora de finalizar. Para a segunda etapa, o treinador argentino sacou um dos defensores na tentativa de pressionar a Seleção. A medida funcionou e a equipe vermelha passou a ameaçar o gol de Alisson.

Em uma falha defensiva no setor esquerdo do Brasil, o peruano Polo arrancou e cruzou para Ruidíaz, que invadiu a pequena área e, de mão, empurrou a bola para o fundo das redes. Dunga, que há pouco havia colocado Hulk no lugar de Gabigol, tinha ainda duas alterações para fazer, mas preferiu não usá-las. Desorganizados e desesperados em campo, os jogadores de amarelo não conseguiram reagir e entraram para a recente manchada história da Seleção Brasileira.

O jogo – Após um começo de jogo tenso em que os brasileiros pediram sem razão pênalti em cima de Daniel Alves e Gabriel, a Seleção chegou com perigo pela primeira vez aos 11 minutos, quando o lateral esquerdo Filipe Luíz arrancou pela esquerda e arriscou de fora da área, obrigando o goleiro Gallese fazer boa defesa e ceder o escanteio. Na cobrança, Renato Augusto mandou por cima do travessão.

O Brasil, então, passou a ocupar o campo de defesa peruano e fez boas investidas em jogadas pela linha de fundo, principalmente explorando Filipe Luís, um dos melhores em campo até então. No entanto, a zaga vermelha se defendeu bem apesar de encontrar muitos problemas para sair jogando, o que facilitou a recorrente recuperação de bola dos brasileiros.

Em uma dessas vaciladas, a zaga adversária entregou a bola no pé de Elias. Este encontrou Gabriel na grande área e fez o passe. O atacante girou em um espaço curto e bateu no canto direito do arqueiro rival, que se esticou todo para fazer a defesa aos 26 minutos.

Se o Peru mal conseguia passar do meio-campo, o time canarinho tinha dificuldades para furar a retranca do rival e desperdiçava as poucas chances claras de gol, como no caso de Willian, que recebeu bom passe de Filipe Luís na área e bateu de primeira, mas por cima do travessão. Já Gabigol testou o goleiro peruano de longe com chute da esquerda. Gallese, porém, esteve bem posicionado e espalmou.

Aos 43 foi a vez de os peruanos reclamarem de pênalti. Flores invadiu a área brasileira em uma das poucas vezes que isso ocorreu no primeiro tempo e foi calçado de leve por Renato Augusto. O árbitro uruguaio Andres Cunha manteve o critério dos outros lances polêmicos e nada deu.

Insatisfeito com a forma pela qual sua equipe foi dominada na primeira parte do jogo, o técnico Ricardo Gareca promoveu a entrada do lateral Yotún no lugar do zagueiro Balbín. De fato, o Peru voltou mais agressivo e assutou a meta brasileira logo aos três minutos, quando Alisson espalmou de maneira estranha a cobrança de falta de Christian Cueva, reforço do São Paulo para a temporada. Pouco depois, o meia voltou a assustar o goleiro do time canarinho novamente em tiro livre direto.

Com mais dificuldade para sair tocando em função da marcação alta que o Peru passou a exercer, o Brasil só foi chegar com real perigo aos 24 minutos, em jogada individual de Renato Augusto, que arrancou pelo meio e passou para Philippe Coutinha na esquerda. O jogador do Liverpool limpou e bateu com a perna direita para defesa de Gallese.

Aos 29, o lance mais polêmico da partida. O meia Polo fez jogada de velocidade pela direita, foi até a linha de fundo e cruzou à meia altura. O atacante Ruidíaz desviou com a mão e fez o gol. O bandeirinha chamou o juiz para conversar à beira do gramado, gerando muita reclamação dos peruanos, temerosos pela invalidação do tento. Cerca de cinco minutos depois, Andre Cunha apontou o meio-campo e validou o gol.

Desesperados em busca do gol de empate e da classificação, os brasileiros se desorganizaram em campo e passaram a rifar bolas na área peruana. O juiz, por conta da confusão, deus seis minutos de acréscimo. Aos 47, a Seleção teve sua melhor chance, com Elias, que recebeu cruzamento livre na pequena área. O volante, porém, desviou sem força e o goleiro Gallese defendeu.

 

FICHA TÉCNICA
BRASIL 0 X 1 PERU

Local: Gillette Stadium, em Boston (Estados Unidos)
Data: 12 de junho de 2016, domingo
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Andres Cunha (URU)
Assistentes: Nicolas Taran e Richard Trinidad (ambos do Uruguai)
Público:
Renda:
Cartões amarelos: Lucas Lima (Brasil)
Cartões vermelhos:

GOLS:

Peru: Ruidíaz, aos 29 minutos do segundo tempo

BRASIL: Alisson; Daniel Alves, Miranda, Gil e Filipe Luís; Elias, Renato Augusto, Lucas Lima, Willian e Philippe Coutinho; Gabriel (Hulk)
Técnico: Dunga

PERU: Gallese; Aldo Corzo, Christian Ramos, Balbín (Yotún), Alberto Rodríguez e Trauco; Óscar Vílchez, Andy Polo e Cueva (Tapia); Édison Flores (Ruidíaz) e Paolo Guerrero
Técnico: Ricardo Gareca