Pane defensiva põe em xeque 'melhor setor' do elenco do Santos

Antes da trinca de jogos sem vitória, o Santos havia sofrido apenas nove gols no torneio nacional, sendo que quatro foram na goleada para o Palmeiras

Comentar
Compartilhar
28 AGO 2019Por Folhapress16h02
A má fase atingiu todos os jogadores da zaga, principalmente o colombiano Felipe AguilarFoto: Divulgação/Santos FC

Com boas atuações de titulares e reservas ao longo do ano, a defesa do Santos é considerada por muitos o setor mais bem servido do elenco. No entanto, os oito gols sofridos nas últimas três partidas e as falhas dos zagueiros colocaram em xeque o bom desempenho da equipe, principalmente no Campeonato Brasileiro.

Antes da trinca de jogos sem vitória, o Santos havia sofrido apenas nove gols no torneio nacional, sendo que quatro foram na goleada para o Palmeiras. Na época, o time do técnico Jorge Sampaoli havia saído de campo sem sofrer gols em mais da metade das rodadas -sete vezes em 13 duelos.

No entanto, os bons números caíram por terra nas últimas três rodadas, e muito disso se deve ao próprio setor defensivo. A má fase atingiu todos os jogadores da zaga, principalmente o colombiano Felipe Aguilar.

Foi o camisa 26 quem mais esteve presente nos lances que renderam gols aos adversários do Santos. Na derrota para o São Paulo, Aguilar cometeu pênalti deixando o braço aberto dentro da área. Depois, tropeçou e deixou Alexandre Pato sozinho para marcar o terceiro.

No empate com o Fortaleza, o colombiano fez mais um pênalti de forma estranha, com um "carrinho de joelhos". Depois, não acompanhou Wellington Paulista no segundo gol. Por fim, voltou a tropeçar dentro da área e ajeitou a bola para Tinga empatar o jogo.

Gustavo Henrique não chegou a falhar em lances de gol, mas errou no primeiro lance da derrota para o Cruzeiro, quando fez falta com carrinho por trás, foi expulso e deixou o Santos em situação irreversível. Com um a menos, o Santos foi dominado e facilmente derrotado.

Na segunda etapa da partida contra o Cruzeiro, Luiz Felipe entrou para recompor o sistema defensivo, mas também não conseguiu repetir as boas atuações do início do ano, quando ainda era titular. No segundo gol dos mineiros, ele esticou a perna, mas falhou em cortar a bola que chegou para Thiago Neves bater sozinho da entrada da área.

Lucas Veríssimo, que voltou a atuar como lateral direito durante a sequência de três jogos sem vitória, saiu quase ileso no quesito falhas. mas cometeu erro que possibilitou o empate do São Paulo no clássico. Em escanteio, o camisa 28 abandonou a marcação de Pato para subir e tentar afastar a bola. Nas costas do defensor, o atacante rival conseguiu dominar e bater forte para marcar.

Sampaoli vai trabalhar durante a semana para tentar fazer com que os defensores não se deixem abater e voltem ao nível que vinham apresentando, o que ele chama de criar uma "cabeça competitiva".

Há a possibilidade de Felipe Aguilar ser preservado pelo treinador, que pensa em não queimar o defensor, que já teve ótimos momentos na temporada. O zagueiro vem figurando na pré-lista de convocação da Colômbia desde a Copa América, mas ainda não conseguiu vaga na relação final.

Colunas

Contraponto