Palmeiras e Cruzeiro empatam em jogo incrível pela Copa do Brasil

Alviverde acaba o primeiro tempo com derrota por 3 a 0, mas consegue o empate na segunda etapa

Comentar
Compartilhar
29 JUN 2017Por Estadão Conteúdo00h05
Dudu marcou duas vezes para o PalmeirasDudu marcou duas vezes para o PalmeirasFoto: Marcello Zambrana/Cruzeiro

O maluco roteiro da partida entre Palmeiras e Cruzeiro, nesta quarta-feira, no Allianz Parque, permite dizer que o time paulista “ganhou” um jogo por 3 a 3. A análise não é exagero para quem em casa, pelo confronto de ida das quartas de final da Copa do Brasil, levou três no primeiro tempo e conseguir diminuir o desastre na etapa final e sair aplaudido.

O jogo mais movimentado do ano do futebol brasileiro deixa o confronto em aberto para a volta, no Mineirão, dia 26 de julho. Afinal, tanto o Cruzeiro vai confiante pelo empate fora de casa quanto o Palmeiras está fortalecido pela reação sensacional conseguida na marra.

Logo após ter conquistado três vitórias consecutivas, o Palmeiras entrou confiante em campo e saiu arrasado do primeiro tempo contra o Cruzeiro. Foram três gols em 30 minutos. Poderiam ter sido mais, pela liberdade para Thiago Neves criar, a desorganização da defesa e a inércia de quem se viu em desvantagem pelo pleno domínio adversário.

Após presenciar contra-ataques em que a defesa do Palmeiras estava em menor número e ver as duas laterais como convite a mais sufoco, a torcida não se aguentou. As vaias dominaram  e o técnico Cuca fez uma alteração mais para tentar fechar os espaços. Os gols de Thiago Neves, Robinho e Alisson fizeram Fabiano sair aos 30 minutos. Egídio entrou para posicionar a equipe com Zé Roberto de volante e Tchê Tchê na defesa.

A substituição não foi, como diz a comum analogia, como trocar o pneu com o carro em movimento, mas sim com o veículo desgovernado. O estrago gigante pela desorganização já deixava o time nervoso em campo e com erros triviais. Se levar gol em casa em mata-mata é sinal de alerta, levar três e ser massacrado representava tragédia.

A equipe precisava provocar no segundo tempo o mesmo estrago sofrido na etapa inicial. Pois bem, se sofreu em 30 minutos, o time resolveu tudo em 20. O time se encheu de brios ao escutar a torcida cantar “Palmeiras é o time da virada” e levou o público ao delírio com a reação fulminante.

O Palmeiras foi para cima sem medo de se arriscar. Acuado e assustado, o Cruzeiro viu a vantagem ruir sem conseguir acompanhar a velocidade, nem tirar a bola da defesa. O jogo ficou dentro da área mineira. Dudu, com dois gols, e Willian, com outro, aumentaram a esperança de uma virada.

O sonho do 4 a 3 permaneceu até o fim. Mesmo que a vitória tenha ficado perto, o Palmeiras leva como alerta o risco de que o primeiro tempo horrível pode ter custado caro no torneio.