X
Esportes

Odebrecht pagou R$ 7,3 milhões em propina por reforma do Maracanã

Foram pagos ao ex-governador do Rio de Janeiro, que está preso desde novembro, aproximadamente R$ 6,3 milhões em propina relacionada às obras do Maracanã

Executivos da Odebrecht afirmaram que a empresa pagou cerca de R$ 7,3 milhões em propina para fraudar a licitação do Maracanã / Divulgação

Executivos da empreiteira Odebrecht afirmaram em delação premiada que a empresa pagou cerca de R$ 7,3 milhões em propina para fraudar a licitação para as obras de reforma do estádio do Maracanã. O montante, destinado ao ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, a secretários e a membros do Tribunal de Contas do estado (TCE-RJ) poderia ter sido ainda maior se os acordos tivessem sido cumpridos, o que não ocorreu devido à deflagração da Operação Lava Jato.

De acordo com Benedicto Barbosa da Silva Junior, responsável pelo Setor de Operações Estruturadas da empresa, o departamento da propina, foram pagos ao ex-governador do Rio de Janeiro, que está preso desde novembro, aproximadamente R$ 6,3 milhões em propina relacionada às obras do Maracanã.

Já os diretores da Odebrecht Marcos Vidigal do Amaral, Leandro Andrade Azevedo e João Borba disseram, nos depoimentos, que foi repassado R$ 1 milhão para o então presidente do TCE-RJ, Jonas Lopes. O valor, pago para que o tribunal aprovasse o edital de licitação da obra, deveria ter sido de R$ 4 milhões, que corresponde a 1% do valor inicial do projeto. No entanto, com início da Operação Lava Jato, o repasse, dividido em quatro parcelas, foi interrompido e somente uma “prestação” foi devidamente paga.

“Fizemos o primeiro pagamento de R$ 1 milhão na data de 17 de março de 2014. O outro seria no final de 2014, quando começou a Operação Lava Jato e não fizemos mais os pagamentos”, disse Leandro Andrade Azevedo ao Ministério Público Federal. Azevedo explicou que, apesar da Lava Jato, o então presidente do TCE fluminense pressionou para que o restante da propina fosse paga.

“No final do ano [2014], fui convocado pelo presidente do tribunal e ele me cobrou a continuidade do pagamento. Fiquei sem graça, estávamos no meio da Lava Jato. Delicadamente, pedi a ele que lesse a capa do jornal O Globo que estava sobre a mesa [que informava sobre a prisão de empreiteiros]. Ele ficou super sem graça, virou para mim e disse que entendia a situação, mas que estava sendo muito pressionado pelos outros conselheiros”, disse.

Segundo Marcos Vidigal do Amaral, para que o consórcio formado inicialmente pela Odebrecht e Andrade Gutierrez vencesse a licitação, ele apresentou ao então secretário de Obras de Sérgio Cabral, Hudson Braga, exigências a serem colocadas no edital de modo que o certame fosse direcionado, evitando a concorrência. Ainda de acordo com o executivo, por determinação de Cabral, a construtora Delta também deveria integraR o consórcio, mesmo não tendo qualificação técnica para a obra.

“Era uma questão política. O Sérgio Cabral havia solicitado a entrada da Delta com a participação de 30%. A Odebrecht [que tinha participação de 70%] ficou com 49% e a Andrade Gutierrez [que tinha 30%] ficou com 21%”, explicou Amaral.

“Antes do edital ser publicado apresentei algumas exigências no papel para o Hudson Braga. Ele se comprometeu a dar prosseguimento ao assunto e, de fato, isso ocorreu e tivemos a certeza disso na publicação do edital. Depois do edital publicado, fui chamado no escritório do secretário Wilson Carlos e ele falou que havia feito um acerto [com representantes do TCE] e que deveríamos pagar uma propina de 1% do valor do contrato”, acrescentou Amaral.

O pagamento, segundo Leonardo Azevedo, foi feito no escritório do filho do ex-presidente do TCU, Jonas Lopes Neto. “Ele [Jonas Lopes Neto] me passou o endereço do escritório deles, não tinha como contabilizar isso [o valor integral da propina] porque era uma concessão, então usei o codinome casa de doido, que já existia para diversos pagamentos que não fossem contabilizados”, contou o executivo.

Inicialmente, o contrato inicial para reforma do Maracanã para a Copa do Mundo de 2014 era de R$ 705 milhões. Ao final, a obra custou aos cofres públicos mais de R$ 1,2 bilhão.

Ainda conforme a delação premiada dos executivos da Odebrecht, o ex-governador Sérgio Cabral e o grupo político dele também receberam vantagens indevidas por conta das obras da Linha 4 do Metrô, do Arco Metropolitano e do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) das Favelas.

Procurado pela Agência Brasil, o advogado de Cabral, Luciano Saldanha, informou que a defesa só vai se manifestar nos autos do processo. A defesa de Jonas Lopes não foi encontrada pela reportagem. Os advogados dos ex-secretários também não foram encontrados para se manifestarem sobre as delações.

Mané Garrincha

Os delatores da Odebrecht também afirmaram que a construtora influenciou obras do Estádio Nacional do Mané Garrincha.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Itanhaém

Audiência pública discute propostas sobre zoneamento urbano em Itanhaém

Empresa Geo Brasilis apresentou informações técnicas sobre as características do município

Saúde

Ocupação de leitos de UTI de Covid-19 só aumenta na Baixada Santista

Região ainda não teve um único dia de diminuição de leitos ocupados durante todo o ano de 2022 segundo Seade

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software