X

Esportes

Neymar se incomoda com substituições, mas mantém boa relação com técnico

Logo após marcar seu terceiro gol no triunfo por 6 a 1, pela fase de grupos da Liga dos Campeões, o brasileiro foi substituído e deixou o campo cabisbaixo

Folhapress

Publicado em 04/10/2018 às 14:10

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Logo após marcar seu terceiro gol no triunfo por 6 a 1, pela fase de grupos da Liga dos Campeões, o brasileiro foi substituído e deixou o campo cabisbaixo / C.Gavelle/PSG

A exibição de gala de Neymar na vitória do Paris Saint-Germain sobre o Estrela Vermelha, na última quarta-feira (3), no Parque dos Príncipes, terminou aos 36min do segundo tempo.

Logo após marcar seu terceiro gol no triunfo por 6 a 1, pela fase de grupos da Liga dos Campeões, o brasileiro foi substituído e deixou o campo cabisbaixo. Um claro incômodo com uma situação que tem sido frequente, mas que passa longe de gerar crise por conta do relacionamento paterno com o treinador alemão Thomas Tuchel.

A reação inicial de Neymar foi de descontentamento. No banco de reservas, sentou ao lado de Thiago Silva e Marquinhos -o primeiro também foi substituído e o segundo passou o jogo inteiro no banco- e reclamou da alteração. No fim do jogo, Tuchel foi em sua direção para um cumprimento que terminou em beijo e elogios ao pé do ouvido. Incomodado, o brasileiro pouco conversou.

"Falei para ele: 'Não me tira não, pô'. Mas foi uma brincadeira, eu tenho uma grande afinidade com ele.

Então a gente conversa bastante. Mas foi isso ali no canto. Sempre quero jogar os 90 minutos", explicou Neymar.

Neymar passou toda a temporada passada sem ser substituído por Unai Emery nos 30 jogos disputados. Com Tuchel foi a quarta vez em nove jogos, tendo as duas últimas gerado o desconforto. Diante do Rennes, ela aconteceu quando se posicionava para a cobrança de uma falta aos 44min do segundo tempo.

"Não foi nada. Queria cobrar a falta e ninguém gosta de ser substituído, né?", disse Neymar na ocasião.
"Tocar" em Neymar já foi algo grande. No Barcelona, com Luis Enrique no comando, o brasileiro foi substituído nove vezes em 51 jogos na temporada 2014/2015. Em uma delas deixou o campo chutando garrafa de água, explicitando a irritação. A cena forte levou Xavi a conversar com o atacante, pedindo respeito com o técnico e com o reserva Pedro, quem constantemente o substituía. Na temporada seguinte, sem o jogador espanhol no elenco, o brasileiro deixou o campo apenas uma vez em 48 jogos.

Em 2010, com 18 anos e jogando pelo Santos, a primeira reação de irritação com substituição já demonstrava ser difícil gerenciar o ato. O treinador Dorival Júnior tirou Neymar de campo na vitória contra o Palmeiras por 2 a 1, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro: "Sei que faz parte do futebol, mas aquele não era o momento de sair. O time estava crescendo e eu poderia ajudar bastante", comentou o atacante no fim do jogo.

No PSG, Neymar já passa pela temporada com o maior número de substituições desde o problema com Luis Enrique em 2015. Só que, mesmo assim, nem sempre se incomoda. Na primeira substituição, logo na estreia do Campeonato Francês, na vitória por 3 a 0 sobre o Caen, em agosto, o atacante deixou o campo aos 37min do segundo tempo e entendeu a situação por ainda se considerar longe da boa forma física.

Pouco antes, quatro dias após retornar de férias, sua presença na final da Supercopa da França diante do Monaco -o PSG venceu por 4 a 0 em jogo disputado na China- era desconsiderada por conta do pouco tempo de pré-temporada. E ela só aconteceu nos minutos finais por conta da já boa relação com Tuchel.

"O Neymar ficou o tempo inteiro (durante a partida) me pedindo: "Deixa eu jogar, deixar eu jogar". Eu pedia tranquilidade, mas teve uma hora que falei: "Ok, você vai entrar, mas joga pelo meio-campo para não se cansar muito", contou à época o treinador.

TUCHEL

O treinador alemão escolheu Neymar para gerenciar o elenco do PSG. Com ele, conversa sobre a tática do time e até sobre contratações de reforços, como nos casos do meia Lucas Paquetá, do Flamengo, e o atacante Pedro, do Fluminense.

A boa relação faz Neymar ter liberdade para realizar ajustes na função de meia. O papel de armador foi apresentado ao camisa 10 logo na primeira conversa pessoal entre eles, em junho. Na ocasião, Tuchel aproveitou dia de folga na preparação da seleção brasileira para a Copa do Mundo e esteve com o jogador em um casino em Londres, na Inglaterra.

Para se aperfeiçoar como treinador, o alemão investiu em curso de psicologia no ano em ficou desempregado, entre a demissão no Borussia Dortmund em maio de 2017 e a contratação no PSG. Na relação íntima com o brasileiro, Tuchel participou até do convencimento para que Neymar participasse de entrevista coletiva na véspera do confronto contra o Estrela Vermelha -a primeira do brasileiro desde sua chegada ao PSG.

"Ele trouxe algo novo sim ao PSG. Desde a primeira conversa eu percebi o quanto era vencedor, mentalidade boa, de melhorar. Um cara que se parece muito comigo, de querer sempre ganhar e melhorar.

Ele sabe o que faz, nos demonstra isso no dia a dia e nos jogos. Grande experiência trabalhar com ele", afirmou Neymar sobre o treinador.

"Ele está em evolução. Ainda não está 100%, mas já mostra tudo o que é capaz. Estou bem confiante. Ele está comprometido com o clube e estamos satisfeitos com ele", destacou Tuchel.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Praia Grande

Neste começo de semana, PAT de Praia Grande está com vagas de emprego

Candidato deve possuir cadastro no PAT de Praia Grande

Santos

UME Irmã Maria Dolores deverá ser entregue em setembro, em Santos

Nova escola do bairro Vila Nova poderá atender 174 alunos, mais que o dobro das 83 vagas do imóvel que ocupa atualmente

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter