Mudanças no regulamento deixam Felipe Massa à deriva na Williams

Além de mudanças na aerodinâmica dos veículos e da numeração fixa para os pilotos, a FIA sinaliza com diferença no sistema de pontuação das últimas provas do ano

Comentar
Compartilhar
27 DEZ 201315h39

Não bastasse a mudança e equipe, Felipe Massa terá de superar também as alterações no regulamento da Fórmula 1 se quiser voltar a figurar entre os líderes do campeonato a partir de 2014. O brasileiro segue mostrando empolgação com a troca de time para a próxima temporada, assim como não esconde a preocupação com o carro que receberá.

Além de mudanças na aerodinâmica dos veículos e da numeração fixa para os pilotos, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) sinaliza com diferença no sistema de pontuação das últimas provas do ano. A intenção é dobrar os pontos do vencedor das corridas decisivas, medida que não tem sido muito bem recebida pelos pilotos.

O principal fator de preocupação para Massa, entretanto, está nos novos motores que as equipes terão de desenvolver. Até a última temporada, vencida pelo alemão Sebastian Vettel e pela Red Bull Racing, os motores eram V8 de 2.4 litros e serão substituídos por V6 de 1.8 litros turbo nos próximos meses.

“O carro ainda está sendo construído, não consegui ver nada de perto. As muitas mudanças no regulamento não deixam a equipe passar muita coisa para os pilotos. Planejar alguma coisa tem sido muito difícil para todo mundo com essas novidades”, justificou o paulista de 32 anos em partida de futebol beneficente.

Não bastasse a mudança e equipe, Felipe Massa terá de superar também as alterações no regulamento se quiser voltar a figurar entre os líderes do campeonato (Foto: Frank Augstein/Associated Press/AE)

Apesar das incertezas causadas pelas mudanças, o sentimento de Massa é de otimismo para voltar ao caminho das vitórias pela britânica Williams depois de 12 anos como ferrarista. “A adaptação está sendo muito boa, tranquila. Estamos no início ainda e sabemos que a partir do começo de 2014 teremos mais trabalho duro pela frente”, declarou.