SEDUC

Modesto é contra torcida única e espera bom senso de autoridades

O promotor Roberto Senise Lisboa disse, mais cedo, que estudaria o nível de “animosidade” entre santistas e são-paulinos

Comentar
Compartilhar
09 FEV 201520h38

As declarações do promotor de Justiça Roberto Senise Lisboa sobre a possibilidade de se realizar o clássico entre Santos e São Paulo com torcida única já refletiu em uma postura da diretoria alvinegra. Mandante do duelo válido pela 4ª rodada do Campeonato Paulista, o Peixe não pretende deixar de receber os torcedores visitantes nesta quarta-feira, no estádio Urbano Caldeira, em Vila Belmiro.

"Não discuto as decisões da Polícia Militar e da Promotoria. Eles decidem e eu acato. Minha opinião sobre este assunto? É um absurdo. Que graça tem o futebol se eu não puder tirar sarro do meu vizinho são-paulino, caso o time dele perca? Isso é bizarro. Então, não vamos ao estádio. Vamos ao teatro”, disse o presidente Modesto Roma Jr, através de nota oficial divulgada pela assessoria de imprensa, antes de completar enfatizando sua posição contrária a uma partida com apenas uma torcida presente. “Repito, não discuto as decisões da PM e da Promotoria, mas sou contra torcida única. Qual a graça do futebol sem as torcidas? Claro que atos de vandalismo, violência, atentado à vida devem ser punidos rigorosamente, mas o futebol é feito de rivalidade sadia”, encerrou Modesto.

O promotor Roberto Senise Lisboa disse, mais cedo, que estudaria o nível de “animosidade” entre santistas e são-paulinos para definir se uma medida mais drástica seria necessária.

Modesto Roma Jr. se posicionou contra torcida única em clássicos e a favor da rivalidade sadia (Foto: Divulgação/Santos FC)

“Vamos analisar os fatos dos últimos dias para sabermos se haverá a necessidade da medida excepcional de recomendação de torcida única. Não será uma regra. Temos de ver como está a animosidade entre as torcidas. No caso de Palmeiras e Corinthians, há animosidade desde meados de 2014 e, com a morte de Felipe “Dime” em janeiro, ela ficou ainda maior. Com relação a Santos e São Paulo, estou aguardando o posicionamento do serviço de inteligência da Secretaria de Segurança Pública, do MP e TJSP. O doutor Paulo Castilho deve passar as informações nos próximos dias”, explicou ao Arena Sportv.

A polêmica chega ao San-São na semana posterior a Corinthians e Palmeiras promoverem uma tensa briga para que houvessem duas torcidas no clássico do último domingo, que acabou sendo vencido pelo Corinthians por 1 a 0, na casa do rival.