Massa diz que teve dúvida se ainda 'servia' para a Fórmula 1

Piloto brasileiro questionou sua continuidade na categoria após início ruim na temporada

Comentar
Compartilhar
27 NOV 201216h55

Massa conquistou o terceiro lugar no GP do Brasil de Fórmla 1 no último domingo (25). Um dia após ter fechado de forma positiva uma temporada no qual esteve sob intensa pressão na Ferrari,  Felipe Massa revelou, no final da noite da última segunda-feira (26), que chegou a colocar em dúvida neste ano a sua continuidade a sua carreira como piloto de Fórmula 1.  O brasileiro falou sobre o assunto ao explicar o choro compulsivo no pódio do Autódromo de Interlagos, em São Paulo, onde o alemão Sebastian Vettel se sagrou tricampeão mundial.

"Acho que veio de tudo. Primeiro, lógico, de estar voltando ao pódio na corrida de casa, que é sempre uma emoção muito grande. Mas não foi só isso.  Acho que aquele choro era mais pelas dificuldades do que pelas alegrias", afirmou Massa, em entrevista ao SporTV, na qual depois confessou o momento de reflexão que 
teve durante os momentos de dificuldade que viveu durante esta temporada.
 
No pódio, Felipe Massa chora após ser o terceiro a cruzar a linha de chegada no GP Brasil (Foto: AE)
 
"Tomei muita porrada e cheguei até a pensar em um certo momento: ''Será que eu ainda sirvo para isso?''. Mas aí tive um lado em que eu comecei a pensar, estudar e até trabalhar um pouco mais minha cabeça,  que acho que, naquele momento, já tinha ido para o espaço. E acho que dali em diante eu comecei a raciocinar de novo, voltar no caminho que sempre tive, e com a facilidade com que sempre trabalhei em todas as categorias e na própria F1", completou.
 
A emoção evidente de Massa no pódio também foi motivada pelo carinho dos torcedores, que acabaram reconhecendo a volta por cima do piloto, que teve renovação de contrato com a Ferrari em dúvida por causa da série de resultados ruins na primeira metade deste Mundial de F1. Após meses de incertezas e especulações, a assinatura do compromisso por mais uma temporada só foi ser firmada em outubro.
 
"Fui dar parabéns para o Vettel, estava curtindo aquele momento. Mas na hora que eu desci do carro e olhei toda arquibancada gritando meu nome, minha mulher, minha família, meus amigos,  todos os meus mecânicos, minha equipe emocionada comigo, ali eu caí", confessou. 

Colunas

Contraponto