LUTO NO FUTEBOL

Maior artilheiro em uma única Copa, Just Fontaine morre aos 89 anos

Francês morreu nesta quarta, aos 89 anos; a informação foi divulgada pela família

Da Reportagem

Publicado em 01/03/2023 às 14:13

Atualizado em 01/03/2023 às 14:15

Comentar:

Compartilhe:

O francês Just Fontaine, recordista de gols em apenas uma Copa do Mundo, com 13 tentos no Mundial da Suécia, em 1958, quando o Brasil ganhou sua primeira Copa do Mundo, morreu nesta quarta-feira, aos 89 anos / Divulgação/FIFA

O francês Just Fontaine, recordista de gols em apenas uma Copa do Mundo, com 13 tentos no Mundial da Suécia, em 1958, quando o Brasil ganhou sua primeira Copa do Mundo, morreu nesta quarta-feira, aos 89 anos, informou a família à AFP. Leia também no site da Gazeta de S.Paulo.

Na Copa em que Fontaine estabeleceu o recorde de gols, a França chegou às semifinais pela primeira vez em sua história, quando acabou derrotada pela seleção brasileira, liderado por Pelé, por 5 a 2. Na disputa do terceiro lugar, os franceses derrotaram a Alemanha por 6 a 3. Just Fontaine tinha 25 anos quando disputou aquela competição.

Nascido em Marrakech, Fontaine não estaria convocado par aquela Copa do Mundo porque havia sido superado na disputa por vaga na seleção por Thadée Cisowski, que acabou lesionado no último momento.

Títulos

Além do recorde de 13 gols e daquela histórica semifinal da Copa do Mundo pela França, Just Fontaine alcançou um grande recorde no futebol de clubes com quatro títulos de campeão francês (um com o Nice e três com o Reims), duas Copas da França (Nice em 1954 e Reims em 1958) e uma final da Taça dos Campeões Europeus - a atual Liga dos Campeões - perdeu em 1959 por 2 a 0 para o Real Madrid de Di Stefano, Puskas e Kopa.

Aposentadoria precoce

A carreira de Fontaine foi brutalmente interrompida no fim de 1962, com apenas 28 anos, após uma fratura dupla na perna. Aposentado dos gramados, Just Fontaine chegou a ser técnico, mas sua carreira no banco foi bem mais discreta.

Como técnico

Com a seleção francesa, ele teve um trabalho bem menos glorioso como técnico do que como jogador: durou apenas duas partidas no comando do time nacional em 1967, antes de ser demitido após duas derrotas em amistosos.

A experiência como técnico do Paris Saint-Germain (1973-1976) foi mais exitosa, com a promoção à primeira divisão em 1974. Encerrou a carreira à beira do gramado em sua terra natal, no Marrocos, dando à seleção daquele país o terceiro lugar na Copa Africana de 1980.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Três remédios já estão contaminando o mar do Litoral de SP; saiba quais são

Medicamentos são os mais comuns e mais procurados em farmácias e, provavelmente, você os têm aí na sua 'caixa de remédios'

Cotidiano

Início do inverno no litoral de SP terá calor extremo e sensação de 42º C

Final de semana será quente e seco; segunda e terça devem registrar temperaturas muito altas

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter